A Austrália está em choque com a divulgação de imagens de um centro de correção de menores, que mostram maus tratos a um dos jovens detidos. O centro de correção de Don Dale, no norte da Austrália, fechou as portas em 2015 na sequência de um escândalo também relacionado com maus tratos. Na altura, foram divulgadas imagens em que se viam os jovens serem atingidos com gás lacrimogéneo.

As novas imagens, que mostram um jovem a ser maltratado pelos guardas do centro de correção, estão a fazer ressurgir o tema da discriminação racial na Austrália, uma vez que em causa está um jovem aborígene. O primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, disse estar profundamente chocado com as imagens, e informou que já ordenou a abertura de uma investigação sobre o caso. Como informa o jornal El Mundo, uma das primeiras medidas foi a destituição do ministro dos Serviços Penitenciários do Território Norte, a região onde se encontra o estabelecimento prisional de Don Dale.

A discriminação dos aborígenes, o povo nativo do continente australiano, que representam apenas 3% da atual população australiana, é um dos principais problemas sociais do país. Apesar de representarem uma pequena parte da população, cerca de 94% dos menores que estão em centros de correção são aborígenes — incluindo o jovem que aparece nos vídeos agora divulgados.

[O conteúdo dos vídeos pode chocar os leitores mais sensíveis]

O novo escândalo envolve imagens de um jovem de 17 anos, Dyllan Voler, a ser atado a uma cadeira, pelas mãos e pelos pés, e com a cabeça tapada. Depois, o jovem foi deixado durante perto de duas horas dentro da sela trancada.

Outro vídeo, também divulgado agora, mostra o mesmo rapaz, Dyllan Voler, alguns anos antes, quando ainda tinha 14 anos de idade, fechado numa cela. A dada altura, alguns guardas entram pela cela, espancam o menor e tiram-lhe toda a roupa. Depois, obrigam-no a permanecer dentro da sela, deitado no chão, antes de se irem embora.