A Guardia Civil deteve dois homens, irmãos de 33 e 22 anos, em Girona, no norte da Catalunha (junto à fronteira espanhola com França). Os dois homens são suspeitos de financiar grupos jihadistas, mantendo uma linha de transferência de fundos para o Estado Islâmico.

O jornal espanhol El País noticia que os dois, juntamente com um terceiro que terá falecido na Síria, faziam chegar o financiamento aos administradores económicos do Estado Islâmico, que usavam identidades falsas. Estas identidades, de acordo com a investigação do ministério do Interior, fazem parte do centro internacional de captação económica do Estado Islâmico.

O dinheiro transferido a partir de Espanha era utilizado sobretudo para financiar as deslocações dos membros do grupo para a Síria, de modo a serem integrados na organização terrorista.

O grupo, inicialmente de três irmãos, ter-se-á dividido quando um deles foi para a Síria para se juntar às fileiras do Estado Islâmico. A morte desse terceiro irmão não impediu os outros dois de manterem o esquema. O fluxo, que tinha caráter permanente, foi detetado pela aplicação da lei de prevenção do branqueio de capitais e financiamento do terrorismo.

A investigação, a cargo do Tribunal Central de Instrução número 1 da Procuradoria Nacional, e efetuada por agentes da Guardia Civil, vai ainda analisar as casas dos detidos, em busca de indícios que apontem para as relações com os responsáveis financeiros do Estado Islâmico.

Desde 26 de junho de 2015, altura em que o nível de alerta foi elevado para 4, a Guardia Civil tem dado especial importância a todas as investigações relacionadas com estruturas transnacionais de fluxo de fundos e de pessoas, refere El País.