Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O comissário europeu para a investigação e desenvolvimento Carlos Moedas declarou-se “feliz”, à porta do edifício Berlaymont (sede da Comissão Europeia), depois da reunião do colégio de comissários que decidiu pelo cancelamento da multa a Portugal e Espanha por incumprimento do limite de défice em 2015. “Foi uma decisão difícil“, revelou o comissário português que participou a reunião de três horas.

Deu muito trabalho explicar os sacrifícios que Portugal fez, que os portugueses fizeram para se conseguir chegar a esta posição”, disse Moedas que frisou que a multa que estava prevista poderia chegar a 370 milhões de euros. “Se há dia que estou feliz é hoje”. O comissário europeu descreveu este como um “dia muito bom para Portugal”: “Um grande dia, porque conseguimos cancelar essa multa”.

Carlos Moedas ainda elogiou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, por não ter tido “medo de tomar decisões políticas dentro das regras”. “Mostrou que somos uma comissão política, no sentido que cumpre as regras, que também são poder cancelar a multa e anular a multa”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR