Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os serviços secretos norte-americanos já terão informado a Casa Branca das suspeitas sobre a intervenção do governo russo no roubo de milhares emails dos servidores do Comité Nacional do Partido Democrata. A suspeita já tinha sido aflorada pelos democratas, convencidos da intenção russa de prejudicar a campanha eleitoral de Hillary Clinton, mas agora os funcionários federais garantem ter “elevado grau de confiança” na informação.

O New York Times explica que os agentes adiantaram, no entanto, que ainda não há certezas sobre as intenções do Governo russo, ou seja, se o acesso aos servidores surgiu no âmbito de ciberespionagem de rotina, ou se teve mesmo intenção de prejudicar a campanha da candidata democrata, favorecendo Donald Trump (que tem uma posição anti-NATO e já elogiou publicamente Vladimir Putin).

O que é certo é que divulgação destes emails surgiu através do WikiLeaks e que o seu fundador, Julian Assange, tem feito declarações anti-Hillary nos últimos tempos. E ainda ontem foi noticiada uma entrevista dada por Assange à CBS a negar que a Rússia tenha qualquer ligação com o acesso a quase 20 mil emails dos democratas com a estratégia de Hillary Clinton na corrida à Casa Branca. “Não há provas disso. Nós não revelamos a nossa fonte e, obviamente, trata-se de uma manobra para desviar a atenção e para sustentar a campanha eleitoral de Hillary Clinton”, disse Assange no canal televisivo norte-americano.

Também na terça-feira, o secretário de Estado norte-americano John Kerry falou do assunto depois da cimeira de ministros dos Negócios Estrangeiros em Laos, Vietname. Nesse encontro, Kerry esteve com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, com o qual abordou o assunto dos emails dos democratas. Mas nas declarações aos jornalistas, Kerry contornou a insistência na acusação aos russos — que o próprio presidente Obama não rejeitou, em entrevista à NBC News — e apenas disse que o caso está a ser investigado pelo FBI. Já o ministro russo, confrontado com as suspeitas, resumiu-se a uma tirada: “Não quero usar palavrões”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR