Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Leonardo DiCaprio, George Clooney, Matt Damon e várias actrizes de Hollywood não se limitam a fazer declarações públicas em defesa do ambiente. Na hora de conduzir, também dão o seu contributo para a diminuição da pegada ecológica. O exemplo mais recente? Eva Longoria, que é, desde o final de Junho, a orgulhosa proprietária de dois Tesla.

As donas de casa até podem ficar desesperadas, mas actriz norte-americana, de origem mexicana, não se limita apenas a retocar as raízes em segundos para abrir, já impecável, a porta ao senhor que traz a “pizza”. Eva Longoria tem uma legião de seguidores (2,9 milhões) no Instagram, rede social que escolheu para tornar público a sua excitação ao receber o seu novo automóvel: um Model X. Fê-lo num curto vídeo, onde abraça o SUV com jantes pretas. A alegria foi tal que Eva até pulou de contentamento. Literalmente.

eva-longoria-tesla-model-x

Não é a primeira vez que a actriz partilha no Instagram o seu contentamento por possuir um Tesla. Já em 2013, Eva Longoria escreveu que o Natal, para ela, tinha chegado mais cedo e colocou uma foto do presente: o Model S

O veículo em questão é quase tão famoso quanto a actriz que se tornou célebre, sobretudo, graças ao seu papel de Gabrielle Solis na série “Donas de Casa Desperadas”. Trata-se do primeiro SUV da marca de Elon Musk, que oferece sete lugares (2+3+2), tracção integral e portas traseiras tipo “asas de gaivota”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Construído sobre a mesma plataforma do Model S – o automóvel que, até agora, Eva Longoria elegia para as suas saídas –, o Model X parece mais familiar que desportivo, mas é mais desportivo do que familiar, em termos de performance. Potência é coisa que não lhe falta, com o motor P90D a debitar 760 cv, que lhe permitem galgar dos 0 aos 100 km/h em 3,2 segundos (em modo “Ludicrous”) e alcançar 250 km/h de velocidade máxima. Tudo isto com uma propulsão exclusivamente eléctrica, recorrendo para tal a baterias que lhe conferem uma autonomia de até 490 km, se circular muito devagar, é claro. Ou seja, perfeitamente alinhado com as directivas impostas pelo programa Zero Emission Vehicle (ZEV) da Califórnia que, desde 1990, exige que os construtores de automóveis produzam uma determinada percentagem de veículos com zero emissões para vender nesse estado norte-americano.

Pioneirismo nas emissões controladas

Mostrar Esconder

A 27 de Janeiro de 2012, a Califórnia aprovou um dos mais ambiciosos pacotes de normas, com vista à redução das emissões de gases com efeito de estufa (GEE) de automóveis, a nível mundial. A vasta legislação incluída neste pacote – o designado California’s Advanced Clean Cars program – abrange os carros a serem lançados entre 2017 e 2025, prometendo cortar para metade os níveis de emissões poluentes e colocar em circulação cerca de 1,4 milhões de veículos com zero emissões de CO2 até ao final do programa. Mas se esta é uma imposição aos construtores de automóveis, por seu turno o estado compromete-se a garantir a implantação de infra-estruturas de carregamento/abastecimento de veículos eléctricos e a hidrogénio.

Segundo a agência de protecção ambiental californiana, a implementação destas normas vai permitir uma poupança individual de 6000 dólares em custos com combustíveis ao longo da duração de vida do carro, o que, segundo a ARB, ultrapassa o acréscimo médio de 1900 dólares em veículos mais “limpos” e eficientes. Quando o programa estiver plenamente implementado, a agência californiana estima que os carros novos emitam menos 34% de gases responsáveis pelo aquecimento global e menos 75% de partículas de fumo. Ou seja, menos 52 milhões de toneladas de GEE – o equivalente a retirar 10 milhões de carros da estrada durante um ano.

Dá-se o caso de a Califórnia ser também o estado mais rico dos EUA, a ponto de ser responsável por aproximadamente 16% do produto interno bruto (PIB) do país. Para se ter uma ideia, neste momento, se a Califórnia fosse um país independente, ocuparia a 6.ª posição entre as economias mundiais, com um PIB de 2,18 biliões de euros em 2015 – valor que supera a França e o Brasil.

Perante a imposição da agência de protecção ambiental californiana, a Air Resources Board, as marcas de automóveis rapidamente trataram de se pôr em harmonia com a regulamentação específica para o sector, propondo soluções de mobilidade mais amigas do ambiente. E aquilo que seria uma tendência – perfeitamente balizada em termos de números naquele estado norte-americano (ver infobox) – virou moda quando as celebridades começaram a deixar na garagem os Ferrari, os Lamborghini e os Maserati, e a passear-se, ou a comparecer em eventos, em veículos mais amigos do ambiente do que os automóveis com o “convencional” motor de combustão a gasolina ou diesel.

Se muitas das estrelas da Sétima Arte não deixaram de possuir carros que, com uma aceleradela, fazem disparar os níveis de poluentes no ar, certo é que são cada vez mais as que gostam de associar a sua imagem ao melhor estilo da consciência ambiental, preferindo deslocar-se em modelos “verdes”. Nem Miley Cyrus, conhecida por não ter grandes preocupações com o socialmente correcto, escapa a esta “febre”. Em matéria de veículos, a antiga menina da Disney faz o ambientalmente correcto: conduz um Toyota Prius. Não é a única. Confira na nossa fotogaleria que carros “eco-friendly” guiam os astros de Hollywood.