478kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Uma discoteca dentro de uma cabine telefónica? Sim, existe e há filas para entrar

Este artigo tem mais de 5 anos

Um alemão começou a transformar cabines telefónicas em discotecas. Sim, são extremamente pequenas, há filas para lá entrar e estão sempre abertas.

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um alemão começou a transformar cabines telefónicas em discotecas. Sim, são extremamente pequenas, há filas para lá entrar e estão sempre abertas.

Com o desuso ao longo dos anos das cabines telefónicas, Benjamin Uphues criou o conceito da Teledisko, e tem vindo a aproveitar estes artefactos para construir as mais pequenas festas possíveis em Berlim. O jovem empresário inspirou-se em vários locais que visitou à volta do globo e criou algo de novo em Raw-Gelände, uma antiga zona de instalações ferroviárias que hoje em dia é um área de divertimento noturno alternativo.

A grande vantagem da Teledisko é que está sempre aberta e não há limite de lotação. O recorde até agora é de nove pessoas lá dentro.

Tal foi o sucesso que Uphues já exportou este conceito, havendo uma cabine discoteca no México e algumas itinerantes que percorrem vários festivais. Em breve abrirá uma em Madrid.

As Teledisko estão equipadas com tudo o que é comum numa verdadeira discoteca: música, luzes, bola de espealhos e todo o todo o tipo de efeitos, além de câmaras que fotografam os participantes para ficarem com uma recordação. Só precisa de uma moeda e desfrutar da experiência.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.