Rádio Observador

São Tomé e Príncipe

Linha de crédito de 10 milhões vai apoiar investimento português em São Tomé e Príncipe

Os portugueses que queiram investir ou exportar para São Tomé e Príncipe deverão contar, no final deste ano, com uma linha de crédito de dez milhões de euros.

Estes investimentos terão de contemplar a criação de empresas locais com "20 por cento de direito de capital são-tomense"

André Kosters/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os portugueses que queiram investir ou exportar para São Tomé e Príncipe deverão contar, no final deste ano, com uma linha de crédito do Estado português, num montante total de dez milhões de euros, disse à Lusa o administrador do maior banco são-tomense.

Em entrevista à Lusa, Miguel Malheiro Reymão, presidente do conselho de administração do Banco Internacional de São Tomé e Príncipe (BISTP), explicou que só faltam as “análises técnicas” a concluir entre as direções do tesouro dos dois países.

“A República de Portugal e a República de São Tomé e Príncipe já assinaram um memorando de entendimento para uma linha de crédito de 10 milhões de euros para apoiar as exportações de Portugal e investimentos de empresários portugueses que queiram investir” no país, afirmou.

Estes investimentos terão de contemplar a criação de empresas locais com “20% de direito de capital são-tomense”, procurando incentivar o setor empresarial do país.

Os bancos parceiros — a Caixa Geral de Depósitos em Portugal e o BISTP em São Tomé e Príncipe — ficarão responsáveis pela atribuição do crédito, mediante a qualidade dos projetos.

A viver no país há cerca de um ano, Miguel Reymão considera que este pode ser o futuro para São Tomé e Príncipe: o país “precisa de investidores e não pode viver eternamente dos doadores” e, para tal, é necessário “criar riqueza”, aproveitando a localização geoestratégica e a mão-de-obra local.

“São Tomé e Príncipe tem o melhor ambiente de negócios possível”, desde a “afabilidade e cortesia da população” à recetividade em relação ao capital português.

“Com os portugueses há uma relação muito boa e profícua”, explicou o banqueiro.

Propriedade em 48 por cento do Estado, com participações da Caixa Geral de Depósitos (27%) e do Banco Angolano de Investimento (25%), o BISTP é, de longe, o maior banco são-tomense, responsável por dois terços do mercado bancário do país.

“O BISTP é um banco universal e quer apoiar o desenvolvimento do país no seu todo, quer seja apoiando as famílias e os particulares, quer seja apoiando a economia”, salientou o administrador, que admite a falta de projetos de produção nacional, num local onde “grande parte do que é consumido é importado”.

Esta situação revela-se um problema para o banco, que pratica taxas de juro “acima dos dois dígitos”, porque existe uma grande taxa de incumprimento no crédito, entre outras razões.

“O BISTP poderá até dizer que tem excesso de liquidez”. O que “não existe é bom crédito para poder transformar essa liquidez captada em crédito que seja considerado bom, um crédito com risco aceitável”, explicou Miguel Reymão.

O peso da economia informal no país prejudica os investidores no momento de negociar crédito, a que se associa a falta de contabilidade organizada das empresas.

“Queremos baixar um pouco as taxas de juro para a economia e para os particulares, mas quanto mais baixarmos a taxa mais aprumados temos de ser na análise” de cada caso, acrescentou ainda o administrador.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)