Comemora-se hoje o Dia Mundial dos Vigilantes da Natureza, conhecido como World Ranger Day, que tem como objetivo “homenagear o trabalho de todos os vigilantes da natureza de todo o mundo, na conservação da flora e fauna selvagem”, refere a Quercus em comunicado.

A Quercus, que está associada à Associação Nacional de Guardas e Vigilantes da Natureza, apela, neste sentido, que o governo possibilite “melhores condições e mais contratação de profissionais para esta área”, considerando estes profissionais como fundamentais para proteção da natureza devido ao seu conhecimento do terreno e dos habitats.

No que diz respeito a Portugal, é o Serviço Nacional de Parques, Reservas e Património Paisagístico que está responsável pela criação e gestão de um Corpo de Vigilantes da Natureza.

Segundo a Quercus, a falta de vigilantes da natureza deixa muitos milhares de hectares de áreas protegidas sem fiscalização e existem áreas com mais de 26 mil hectares entregues a apenas um vigilante da natureza.

Os vigilantes da natureza, para além de fiscalizarem as construções ilegais, impedem ainda o abate ilegal de árvores, controlam as atividades de caça e pesca e monitorizam algumas espécies protegidas, razão pela qual a Quercus apela para uma maior contratação nesta área.

“A Quercus e a Associação Nacional de Guardas e Vigilantes da Natureza estão a preparar um protocolo de colaboração mútua para criar sinergias em ações de conservação da Natureza e que será assinado no decorrer de 2017”, adianta o comunicado.