Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Estado Islâmico está a recrutar tradutores para fazer propaganda em português e em espanhol. A notícia é avançada pelo El Mundo, que ouviu fontes das forças antiterrorismo de Espanha.

Nos últimos três meses “notou-se um incremento notável da propaganda escrita em espanhol que a organização terrorista Daesh difundiu através das redes sociais”, revelam as fontes ouvidas pelo jornal espanhol. Este incremento ficou marcado pela distribuição de uma mensagem de angariação de tradutores, para trabalharem a partir de casa.

A organização terrorista criou uma série de contas falsas nas redes sociais, desenvolvidas unicamente para enviar mensagens de forma automática a diversas pessoas, identificadas pelo Estado Islâmico como potenciais colaboradores.

“Queridos irmãos e irmãs, temos necessidade de irmãos e irmãos que falem português ou espanhol para nos ajudar no nosso projeto, se Alá quiser. Se falas uma destas línguas, e te queres juntar à nossa equipa de tradutores, por favor clica aqui”, lia-se na mensagem, que começou a ser distribuída de forma automática a partir de junho.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Antes, no mês de maio, o Estado Islâmico tinha criado a primeira conta em espanhol no Telegram, e enviado o primeiro comunicado dirigido a Espanha, em que ameaçava os espanhóis e os acusava de viver em terras muçulmanas.

Também em maio, a organização terrorista criou uma conta em português na rede social, e têm vindo a ser cada vez mais frequentes as ameaças à Península Ibérica.

Especialistas ouvidos pelo El Mundo analisaram várias traduções para espanhol de comunicados e infografias divulgadas pelo Daesh e concluíram que foram feitas por alguém cuja língua materna é o espanhol. De acordo com estas fontes, os textos apresentam elevada qualidade de tradução e de sintaxe, e poderão até ter sido produzidos em território espanhol.