A revelação foi feita ao “Auto Express” por Albert Biermann, líder da equipa de engenharia no seio do Departamento de Investigação e Desenvolvimento do fabricante automóvel sul-coreano, em Namyang, na Coreia do Sul. Embora descartando notícias segundo as quais a companhia estaria a desenvolver motores mais potentes movidos a energia eléctrica, Biermann assumiu que a aposta, neste momento, passa, no caso da Kia, pelo hidrogénio. Até porque, recorda, a ‘irmã’ Hyundai já possui em comercialização um modelo movido a este combustível, o ix35 Fuel Cell, algo que poderá ser aproveitado igualmente para a marca de posicionamento mais jovem.

De acordo com o “Auto Express”, o modelo escolhido para estrear esta solução de mobilidade na Kia poderá vir a ser, a exemplo do que acontece na Hyundai, o ainda novo Sportage. Desde logo, pelo espaço que oferece para acomodar, quer as baterias, quer toda a tecnologia.

Contudo, tal como já acontece com o ix35, também no caso do Sportage os maiores problemas de afirmação passarão, certamente, pela actual escassez de postos de abastecimento. Ainda assim, Biermann assegura que esta aposta será para manter, defendendo que é oportuna após o escândalo das emissões no Grupo Volkswagen, em 2015. Segundo ele, há que começar desde já a pensar em soluções mais sustentáveis para o futuro, em detrimento do gasóleo.

São também os acontecimentos ainda recentes envolvendo o fabricante alemão que levam este responsável a descartar, por completo, a possibilidade de, por exemplo, voltarem a existir motorizações a diesel nos modelos mais desportivos quer da Kia, quer da Hyundai: “Há cinco anos, eu diria sim a essa possibilidade. Hoje, digo não.”