Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Igreja Luterana Evangélica de Santa Ana, em São Petersburgo, acolhe uma exposição dedicada à obra de Miguel Ângelo. Para assinalar a presença da exposição, foi colocada uma réplica da famosa escultura “David” à entrada do templo. Mas, como conta o El País, nem todos ficaram satisfeitos: já está em curso uma campanha contra a presença da estátua.

A campanha foi lançada por uma habitante local, que considerou a estátua indecorosa e inapropriada para as crianças que vivem na cidade. A mulher, Ina, contactou a associação de defesa dos direitos das crianças, escrevendo numa carta: “Como foi possível colocar este tipo, sem calças, no centro da cidade, perto de uma escola e de uma igreja?”

De acordo com a mulher, a estátua é “um gigante que estraga a visão história da cidade e paralisa as almas das crianças”. Por isso, Ina está a contactar as autoridades locais para que retirem a estátua do local. O diretor da escola que Ina quer proteger já respondeu à polémica, garantindo que os estudantes têm cultura suficiente para não ficarem escandalizados ao verem os genitais de uma estátua.

A organização da exposição, por seu turno, decidiu levar a proposta com algum humor, e lançou uma outra campanha, nas redes sociais e nos meios de comunicação social, a pedir as opiniões do público. Os organizadores querem saber se a estátua deve ser vestida ou se pode manter-se David tal como veio ao mundo. Até 15 de agosto, a organização está a recolher votos, e anuncia a decisão final no dia 23. Até agora, “95% das respostas pedem que não o vistamos”, esclarece ao El País Alina Luts, porta-voz da organização da mostra.

A exposição passa por toda a obra de Miguel Ângelo, utilizando tecnologia multimédia para “dar vida” a obras como os frescos da Capela Sistina. As obras são acompanhadas por música de compositores como Bach, Mozart e Handel, informa o jornal espanhol.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR