Rádio Observador

Ponta Delgada

Provedor de Justiça alerta para grave sobrelotação da cadeia de Ponta Delgada

O provedor de Justiça alertou para a "grave situação de sobrelotação" da cadeia de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, nos Açores, considerando que, no limite, é "a vida dos reclusos que pode estar em causa".

Manuel Moura/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O provedor de Justiça alertou para a “grave situação de sobrelotação” da cadeia de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, nos Açores, considerando que, no limite, é “a vida dos reclusos que pode estar em causa”.

Um comunicado de imprensa sobre o relatório da visita ao estabelecimento prisional que o provedor de Justiça, José de Faria Costa, realizou a 4 de maio realça, por outro lado, que “a separação de reclusos não se encontra assegurada”, com a junção de “recentes e os mais antigos, jovens e mais velhos, preventivos e condenados, primários e reincidentes”.

O comunicado refere que nesta prisão não existem “zonas mais privadas para a realização da higiene”, a alimentação é de “insuficiente quantidade e menos boa qualidade”, e, no caso do corpo da guarda prisional, “são apontadas dificuldades na progressão na carreira e a carência de efetivos”.

No relatório da visita à cadeia, localizada na cidade de Ponta Delgada, no âmbito do projeto “O Provedor de Justiça, as prisões e o século XXI: diário de algumas visitas”, José de Faria Costa escreve que a sobrelotação do estabelecimento, que já tinha identificado, é, desde o primeiro momento, “referida como o principal problema da instituição, que, com lotação para 110 pessoas”, alojava à data da visita 196 reclusos.

“Não será, pois, difícil conceber que, somente com engenho […] se conseguem acomodar mais de uma dezena de pessoas em espaços de poucos metros quadrados”, adianta o provedor de Justiça.

Admitindo que “a problemática da sobrelotação é comum” a muitas das prisões do país, José de Faria Costa nota, contudo, que, no caso particular da cadeia de Ponta Delgada, “mais do que a intimidade é, no limite, a vida dos reclusos que pode estar em causa”.

“E está-lo quando se empoleiram […] os beliches para acolher mais alguém”, destaca.

A este propósito, o provedor descreve que se aliam “o engenho, a criatividade e a necessidade e somam-se, em altura, pequenas camas que se sustentam em quatro singelos círculos metálicos e que unem as suas estruturas de ferro”.

“Por mera prevenção, colocam-se ao dispor dos reclusos que ficam mais próximos do teto ripas de madeira para colocar nas laterais do seu leito”, refere José de Faria Costa, realçando que, “aos perigos da queda e do desmoronamento da estrutura, junta-se o fácil acesso a um objeto que pode, se as condições o propiciarem, rapidamente ser usado como arma”.

Reconhecendo que “muitas entidades já deram nota da necessidade de proceder à construção de um novo estabelecimento prisional ou de, pelo menos, se efetuarem algumas obras que vão sendo permanentemente adiadas”, o provedor de Justiça considera que “não se pode, todavia, protelar ‘ad aeternum’ a segurança das pessoas” que estão à confiança do Estado.

Para o responsável, urge agir no sentido de melhorar ou construir uma nova prisão, mas sem a transferência dos reclusos “para uma outra prisão, situada em uma outra ilha ou no território continental”.

No início de abril, a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, afirmou que as atuais instalações da cadeia de Ponta Delgada não são adequadas e avançou que vai ser feita uma intervenção ao nível das camaratas, dado que a construção da nova prisão só vai estar concluída dentro de cinco anos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)