286kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Sexo durante 365 dias, com 365 pessoas diferentes. É arte

Este artigo tem mais de 4 anos

Um artista russo levou a cabo uma performance artística que consistia em fazer sexo durante 365 dias, com 365 pessoas diferentes. O objectivo? Chamar à atenção para a superficialidade das relações.

Captura de ecrã do vídeo HIM, disponível na página de Mischa Badasyan no Vimeo
i

Captura de ecrã do vídeo HIM, disponível na página de Mischa Badasyan no Vimeo

Mischa Badasyan/Vimeo

Captura de ecrã do vídeo HIM, disponível na página de Mischa Badasyan no Vimeo

Mischa Badasyan/Vimeo

Mischa Badasyan, um artista russo de 27 anos, decidiu levar a cabo um projeto durante 365 dias que incluía ter sexo com 365 pessoas diferentes. O objetivo? Descobrir se seria possível sobreviver relacionando-se com outras pessoas apenas através do sexo ou se seria necessário algo mais, conta o El Español.

A ideia partiu de uma aposta que fez com amigos, mas a motivação principal foi a arte. Mischa Badasyan chamou à sua performance “Save The Date” (uma expressão que significa qualquer coisa como “reserve o dia para” ou “salve o seu encontro”) e começou o projeto no verão do ano passado. O artista pretendia refletir e chamar à atenção para a volatilidade das relações sexuais nos tempos que correm, em especial, entre os homens homossexuais.

O artista russo vive atualmente em Berlim, na Alemanha. Deixou a Rússia porque se sentia controlado pelos serviços secretos russos (mesmo quando era apenas adolescente) que o consideravam “perigoso” para o governo, disse em entrevista ao BackStyle. Mischa Badasyan é homossexual e ativista da causa LGBT. Na Rússia, a homossexualidade é perseguida e Mischa Badasyan tenta sensibilizar para as causas que defende através da arte. Na sua página da rede social Facebook conta mesmo que chegou a ser perseguido na Rússia por ser gay.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para a performance “Save The Date” inspirou-se na obra do antropólogo francês Marc Augé e no seu conceito de “não-lugares”. Estes lugares são definidos como locais de passagem, sem história, mas onde muitas pessoas se relacionam. São lugares como terminais de aeroportos, supermercados, centros comerciais, quartos de hotel, entre outros.

Partindo desta ideia, Mischa Badasyan recorreu a aplicações e sites, marcou encontros com homens desconhecidos e teve sexo com eles em “não-lugares”. Com a repetição diária destes encontros sexuais o artista queria descobrir qual a relação entre sexo e solidão.

“É minha forma pessoal de expressar o meu sentimento de desamparo, porque eu nunca tinha estado numa relação”, conta Mischa Badasyan ao jornal espanhol. Considera que foi o trabalho “mais maduro e inspirador” que já fez, mas o projeto fê-lo “esquecer como ser honesto com o corpo de outra pessoa”.

Foram “365 dias de solidão com 365 pessoas e histórias”. A experiência fê-lo compreender que afinal não se consegue viver apenas de sexo e a relação emocional com outra pessoa também é importante.

“Depois de conhecer tantas pessoas e ter novos parceiros sexuais todos os dias percebi que gostaria de passar mais tempo com alguém”, disse Mischa Badasyan sobre a performance.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.