Pessoas

Sexo durante 365 dias, com 365 pessoas diferentes. É arte

519

Um artista russo levou a cabo uma performance artística que consistia em fazer sexo durante 365 dias, com 365 pessoas diferentes. O objectivo? Chamar à atenção para a superficialidade das relações.

Captura de ecrã do vídeo HIM, disponível na página de Mischa Badasyan no Vimeo

Mischa Badasyan/Vimeo

Autor
  • Elsa Araújo Rodrigues

Mischa Badasyan, um artista russo de 27 anos, decidiu levar a cabo um projeto durante 365 dias que incluía ter sexo com 365 pessoas diferentes. O objetivo? Descobrir se seria possível sobreviver relacionando-se com outras pessoas apenas através do sexo ou se seria necessário algo mais, conta o El Español.

A ideia partiu de uma aposta que fez com amigos, mas a motivação principal foi a arte. Mischa Badasyan chamou à sua performance “Save The Date” (uma expressão que significa qualquer coisa como “reserve o dia para” ou “salve o seu encontro”) e começou o projeto no verão do ano passado. O artista pretendia refletir e chamar à atenção para a volatilidade das relações sexuais nos tempos que correm, em especial, entre os homens homossexuais.

O artista russo vive atualmente em Berlim, na Alemanha. Deixou a Rússia porque se sentia controlado pelos serviços secretos russos (mesmo quando era apenas adolescente) que o consideravam “perigoso” para o governo, disse em entrevista ao BackStyle. Mischa Badasyan é homossexual e ativista da causa LGBT. Na Rússia, a homossexualidade é perseguida e Mischa Badasyan tenta sensibilizar para as causas que defende através da arte. Na sua página da rede social Facebook conta mesmo que chegou a ser perseguido na Rússia por ser gay.

Para a performance “Save The Date” inspirou-se na obra do antropólogo francês Marc Augé e no seu conceito de “não-lugares”. Estes lugares são definidos como locais de passagem, sem história, mas onde muitas pessoas se relacionam. São lugares como terminais de aeroportos, supermercados, centros comerciais, quartos de hotel, entre outros.

Partindo desta ideia, Mischa Badasyan recorreu a aplicações e sites, marcou encontros com homens desconhecidos e teve sexo com eles em “não-lugares”. Com a repetição diária destes encontros sexuais o artista queria descobrir qual a relação entre sexo e solidão.

“É minha forma pessoal de expressar o meu sentimento de desamparo, porque eu nunca tinha estado numa relação”, conta Mischa Badasyan ao jornal espanhol. Considera que foi o trabalho “mais maduro e inspirador” que já fez, mas o projeto fê-lo “esquecer como ser honesto com o corpo de outra pessoa”.

Foram “365 dias de solidão com 365 pessoas e histórias”. A experiência fê-lo compreender que afinal não se consegue viver apenas de sexo e a relação emocional com outra pessoa também é importante.

“Depois de conhecer tantas pessoas e ter novos parceiros sexuais todos os dias percebi que gostaria de passar mais tempo com alguém”, disse Mischa Badasyan sobre a performance.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)