A notícia é avançada pela britânica “Autocar”, que, citando o patrão da nova Alpine, Michael van der Sande, acrescenta que o segundo modelo poderá vir a ser um rival de propostas como o Jaguar F-Pace ou o Porsche Macan.

De resto, é o próprio Van der Sande que descreve como “inevitável” que a desportiva Alpine venha a deter propostas fora do âmbito daqueles que serão os seus modelos base. Até porque, acrescenta, “para se construir uma marca automóvel, é preciso ter produto capaz de responder à procura”.

“O recuperar da Alpine teve sempre a ver com o renascer de uma marca, não com apenas o lançamento de um desportivo”, sublinha este mesmo responsável, ainda que reconheça que os desportivos são a “razão de ser” da marca. “Uma vez estabelecidos enquanto fabricante de desportivos, as possibilidades de fazermos seja o que for serão imensas”, opina Michael van der Sande, acrescentando que recebeu “seis ou sete” hipóteses de modelos para esta fase de lançamento da marca.

“O único pré-requisito é que, qualquer que seja o tipo de carro que lancemos, terá de ser sempre o mais ágil e divertido de conduzir entre iguais”, afirma o patrão da Alpine.

A “Autocar” relembra que os primeiros rumores sobre a possibilidade de a Alpine vir a contar com um SUV na sua oferta surgiram numa altura em que se falava na hipótese de a Nissan, parceira da Renault (proprietária da Alpine) na Aliança Renault-Nissan, vir a incluir um crossover desportivo na família Z.

Tal como a marca nipónica, também a Alpine deverá vir a contar com a mais moderna tecnologia de motores, incluindo motorizações híbridas, e oferecer soluções como as quatro rodas direccionais, disponibilizada pela Renault.