Séries

Beat Bugs: o que os miúdos precisam é de Beatles

105

A primeira temporada da série de animação de Josh Wakely, inspirada nas músicas da banda inglesa, chega à plataforma de streaming já esta quarta-feira. Segunda temporada estreia em novembro.

A Netflix voltou a apostar na animação com uma série inspirada nas canções dos Beatles. Criada por Josh Wakely, Beat Bugs segue as aventuras de cinco amigos num jardim dos subúrbios onde habitam e que, para eles, representa todo o universo.

A banda sonora da nova série original, que chega à plataforma de streaming já esta quarta-feira, inclui mais de 50 canções do catálogo da Northern Songs, a editora criada em 1963 por John Lennon e Paul McCartney. Estas foram interpretadas especialmente para Beat Bugs por vários artistas internacionais, como Pink, Robbie Williams, Eddie Vedder, The Lumineers e Sia.

Canções como “Eleanor Rigby,” “Hello, Goodbye,” “Getting Better” ou “Blackbird”? Foram necessários três anos para assegurar a utilização dos temas (e um outro para finalizar os primeiros episódios), mais um capítulo na longa saga de dificuldades que habitualmente são apresentadas a quem procura garantir direitos de reprodução de tudo o que é obra dos Beatles.

“Muitas vezes disseram-me para desistir”, contou Wakely ao LA Times. “E muitas vezes pensei que talvez essa fosse a melhor solução. Não o fiz, ainda bem.” Depois de ter a garantia por parte da gestão do catálogo dos Beatles, a etapa seguinte foi a de assegurar as vozes certas para as canções. Juntando animação, Netflix e Beatles, essa segunda etapa já não apresentou tantas dificuldades.

Entre as várias vozes que fazem parte do elenco — Pink, James Corden do programa “Carpool Karaoke” ou Chris Cornell — Eddie Vedder, vocalista dos Pearl Jam, era o mais desejado pelo criador da série. Disse na mesma entrevista ao LA Times: “O Eddie é um herói da minha infância. Quando ele respondeu aos meus telefonemas, pensei ‘bom, ou é mesmo ele ou é a melhor imitação que já ouvi'”.

Quanto às reações de Paul McCartney e Ringo Starr, bom, essas ainda não existem, mas Josh Wakely está confiante que a série “vai conseguir fazer caminho até aos músicos” e que eles “vão gostar”.

Wakely também confirmou ao LA Times que tem um novo projeto bem encaminhado. Trata-se de uma produção que segue parâmetros semelhantes, mas que no lugar dos Beatles terá canções de vários artistas da Motown. Um dos nomes já envolvidos no projeto é Smokey Robinson. “Pego numa canção e imagino uma história. Depois penso em quem seria a pessoa certa para cantar o tema: Jennifer Hudson, Stevie Wonder ou Pharrell? Vou ter com eles e pergunto-lhes”, disse.

Entretanto, a Netflix já confirmou a segunda temporada da série, que tem estreia marcada para 18 de novembro. A banda sonora, com as reinterpretações dos clássicos dos Fab Four, estará disponível em breve no serviço da Apple Music.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)