A revelação foi feita pelo antigo CEO da Maserati, Harald Wester, hoje em dia responsável pelo Departamento de Tecnologia do Grupo Fiat Chrysler Automobiles (FCA), o proprietário da marca automóvel sediada na cidade italiana de Modena. Segundo este mesmo responsável, citado pela britânica “Autocar“, a marca do tridente “pode vir a fazer uma nova edição limitada” de um modelo desportivo ultra-exclusivo, embora “não para já”.

Recorde-se que a última vez que a Maserati produziu um modelo de edição limitada (50 unidades) foi em 2004, quando deu a conhecer o Maserati MC12; basicamente, uma versão de aspecto diferente do Ferrari Enzo, que nem o facto de possuir um preço base a rondar os 900 mil euros impediu que fosse toda vendida.

Embora a fábrica de Modena esteja igualmente envolvida na produção de modelos de outras marcas do grupo – como é o caso do Alfa Romeo 4C, e antes disso uma edição limitada do 8C (que, de resto, utilizava vários componentes Maserati) –, Wester acredita que a pequena mas versátil mão-de-obra de que a companhia actualmente dispõe será capaz de tomar entre mãos outro projecto como o sucessor do MC12.

Falando de temas mais próximos da realidade, Harald Wester garantiu ainda que o futuro GranTurismo será um carro diferente do actual, até pela necessidade de garantir uma maior capacidade de aceleração. Revelando que a presente geração “chegará ao fim do seu ciclo de vida assim que fizer 10 anos”, ou seja, em 2017, Wester deixou ainda implícito que a versão GranCabrio poderá não ter sucessor, devido à fraca procura, embora uma versão descapotável do aguardado desportivo Alfieri possa vir a preencher essa lacuna.

Entretanto, e ainda antes do final do ano, a marca do tridente deverá dar a conhecer a edição de 2017 do sedan Quattroporte.