A segurança do trajeto onde se disputou a prova de ciclismo de estrada dos Jogos Olímpicos está a ser colocada em causa, com vários candidatos a medalhas na prova eliminados depois de aparatosas quedas no troço final da prova, uma vertiginosa descida em direção à meta no Forte de Copacabana. Há vários ciclistas com várias fraturas ósseas. A favorita da prova feminina continua nos cuidados intensivos.

Não há queixas (ainda), mas o troço tem sido uma autêntica besta negra para os favoritos. Na prova masculina, dois favoritos foram ao chão nessa parte da pista: o italiano Vincenzo Nibali e o colombiano Sergio Henao.

Ambos na luta pelas medalhas, Sergio Henao fraturou a bacia e sofreu um traumatismo torácico. Vincenzo Nibali fraturou a clavícula. Ambos tiveram de abandonar a prova.

Gerard Thomas, o galês na equipa do Reino Unido, também caiu e consigo foram as esperanças do Reino Unido de conseguir uma medalha. O ciclista ainda conseguiu terminar a prova, mas teve de ir diretamente para o hospital assim que o fez.

Menos sorte teve o seu colega de equipa, Richard Porte, que na mesma prova sofreu uma queda aparatosa, acabando por atingir uma árvore. O ciclista sofreu uma fratura na omoplata e a árvore acabou por impedir uma situação mais grave, já que impediu uma queda da ravina na margem da estrada.

A queda mais grave aconteceu na prova feminina. A estrela da companhia holandesa Annemiek van Vleuten seguia na frente da corrida e bem encaminhada para reclamar o ouro quando caiu. A ciclista foi projetada e perdeu os sentidos na sequência da queda, ficando na beira da estrada enquanto não chegava a resposta médica.

A ciclista holandesa recuperou os sentidos a caminho do hospital, mas continua na unidade de cuidados intensivos. A queda valeu-lhe três micro fraturas na coluna e um traumatismo craniano grave.

A voz mais crítica do circuito é o ex-ciclista, e medalha de ouro em 1992, Chris Boardman. O britânico mostrou-se indignado com o percurso e diz que a descida onde a holandesa sofreu a queda é simplesmente perigosa.

“Na verdade, estou muito chateado porque eu vi o circuito e pensei que ninguém que caia ali se consegue levantar. Isto ultrapassa o técnico, isto é perigoso, e isso quer dizer que quem desenhou o percurso o viram e ignoraram”, disse, em declarações à BBC.

Victoria Pendleton, vencedora de uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim (2008), também criticou o percurso: “É um percurso absolutamente, incrivelmente perigoso”.