Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

Recapitalização da Caixa. Prejuízos passados podem pesar no défice do Estado

Autoridades estatísticas podem obrigar Portugal a contabilizar prejuízos passados da Caixa no défice deste ano, por causa do aumento de capital, diz o Negócios, Impacto de 1.100 milhões ameaça meta.

Mário Cruz/LUSA

A realização do anunciado aumento de capital na Caixa Geral de Depósitos deverá ter um impacto negativo no défice público deste ano, por causa das regras estatísticas europeias que podem obrigar a contabilizar os prejuízos passados do banco, de acordo com o Jornal de Negócios.

Em causa estarão, no cenário menos pessimista, 1.100 milhões de euros que colocariam o défice português outra vez acima dos 3%, comprometendo, uma vez mais, a saída de Portugal do Procedimento de Défice Excessivos.

O governo quer que a recapitalização da Caixa, totalmente feita com fundos públicos e num valor ainda por determinar, não entre para as contas do défice. Para tal, terá de convencer as autoridades europeias, da Concorrência e organismo de estatísticas Eurostat, que esta operação será feita com critérios de mercado, ou seja, o investimento tem de ter retorno e o banco deve regressar aos lucros.

O Jornal de Negócios recorda as decisões mais recentes sobre a recapitalização de bancos do Estado, como as que aconteceram na Grécia, para concluir que é provável que o aumento da capital da Caixa seja considerado no défice de 2016. Segundo as regras europeias de contabilidade, as injeções de capital em empresas que registam prejuízos crónicos — a Caixa teve perdas nos últimos cinco anos — devem ser registadas como transferências de capital com efeitos no défice.

O pior cenário obrigaria a considerar a totalidade do valor do aumento de capital que será certamente superior aos prejuízos apurados desde 2012. Há no entanto, um caso especial, adianta o jornal, que permite apenas registar os prejuízos acumulados desde a última recapitalização pública que foi aprovada em 2012.

Para assegurar este objetivo, Portugal terá de fazer passar um plano de recapitalização na Direção-Geral da Concorrência europeia (DG Comp) que não seja considerado uma ajuda de Estado. E como o aumento de capital será totalmente assumido pelo Estado, sem a participação de capital privado, esta tarefa será mais complicada. Se Bruxelas considerar esta operação uma ajuda de Estado, não estarão em causa apenas as contas públicas, mas a própria Caixa já que as regras da união bancária impõe neste caso uma resolução do banco “ajudado”.

Apesar do provável impacto da recapitalização da Caixa no défice de 2016, este efeito não será necessariamente considerado pela Comissão Europeia na análise do esforço de consolidação do défice para este ano, adianta o Negócios. Isto se Portugal mostrar uma melhoria do saldo estrutural e demonstrar que a ultrapassagem da meta dos 2,5% do PIB, imposta para este ano se deve apenas ao aumento de capital do banco público. Se isso não acontecer, voltará a colocar-se o cenário das sanções, que resulta da manutenção do Procedimento de Défices Excessivos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)