Alimentos leves e fáceis de comer como sandes e fruta. Água e leite também são importantes e muito bem-vindos. Manter níveis adequados de hidratação é fundamental, porque ajuda o organismo a lidar com o cansaço. Se quer ajudar os bombeiros envolvidos no combate às chamas — que fustigam o Funchal e lavram um pouco por todo o país — estas são algumas das coisas que pode oferecer.

“Podem levar leite, água, sandes. As coisas fáceis de comer são as que devem ser levadas aos bombeiros”, disse Jaime Marta Soares, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses ao Observador.

Para evitar sobreposições de dádivas, “o melhor é dirigir-se aos quartéis de bombeiros da região e perguntar o que é preciso”, explicou.

Toda a ajuda é bem-vinda, mas é preciso considerar a organização logística do combate a determinado incêndio para que a ajuda possa ser mais eficaz e canalizada de forma eficiente.

“As pessoas que querem ajudar, devem dirigir-se às comissões locais de incêndio, às câmaras municipais — muitas vezes as responsáveis pela organização logística no cenário de operações — e aos quartéis de bombeiros”, aconselhou Jaime Marta Soares.

Para além dos alimentos e da água, pode contribuir de outra maneira — especialmente para quem mora longe dos quartéis — com donativos, por exemplo. Não sabe para onde enviar o dinheiro? Nesse caso deve “ligar para os quartéis de bombeiros mais próximos, para se informar acerca de como fazer”.

Jaime Marta Soares relembra que existem muitas formas de ser solidário e quem quiser e puder também pode contribuir com “verbas para o fundo de proteção social dos bombeiros”, que são depois canalizadas para os bombeiros que possam vir a precisar (como os voluntários, por exemplo).

O que fazer se sua casa estiver em risco?

Outra forma de ajudar, é facilitar o trabalho dos bombeiros e, ao mesmo tempo, proteger os seus bens (como a casa, o carro, as propriedades ou culturas).

Para quem mora numa zona fustigada pelo fogo, ou com fogos nas redondezas, Jaime Marta Soares deixa um conselho importante: “atenção aos possíveis combustíveis para as chamas“.

Limpar os terrenos à volta das casas, de fenos, palhas, tudo o que possa servir de combustível“, uma coisa de muitas pessoas se esquecem de fazer, relembra o presidente da Liga de Bombeiros Portugueses.

Outra coisa que pode e deve fazer se o fogo estiver a aproximar-se, é “regar em voltar das casas, cerca de 20 a 50 metros“. E apesar do calor, também deve “fechar bem as portas e janelas para evitar que a casa sirva de chaminé para os fumos“.

“Atenção aos algerozes”, reforçou também Jaime Marta Soares, “para onde podem entrar fagulhas transportadas pelo vento”.

É também importante manter os animais a salvo (outra vez: não esquecer de verificar se há matéria combustível por perto). Para proteger os veículos, mantenha também as janelas dos mesmos fechadas e regue o perímetro com água. Estas “regas” não precisam de ser feitas com água potável — é importante reutilizar e poupar este recurso.