Rádio Observador

Banda Desenhada

Osamu Tezuka. A biografia em inglês do “padrinho do anime”

Osamu Tezuka foi um ilustrador japonês de banda desenhada, cuja notoriedade lhe valeu o título de "padrinho do anime" e "Walt Disney do Japão". A sua biografia original foi traduzida para inglês.

Uma das vinhetas da biografia de Osamu Tezuka

Autor
  • Rita Neves Costa

Foram precisos 24 anos para que a biografia de Osamu Tezuka fosse editada na versão inglesa. Originalmente publicada em 1992, foi agora traduzida por Frederik L. Schodt. Mais de 900 páginas — as primeiras edições estavam organizadas por fascículos — contam a vida do “padrinho do anime“, destacam o seu contributo na cultura japonesa e analisam a realidade do país após a II Guerra Mundial.

O anime pode ser algo com que a maioria dos fãs de banda desenhada e dos cartoons esteja familiarizado — mas, Osamu Tezuka não se dedicou apenas a isto. O manga, nome dado à banda desenhada japonesa, é a imagem de marca do ilustrador. E o que são estes desenhos? São semelhantes à banda desenhada tradicional dos Estados Unidos da América, mas com pormenores diferenciadores: as ilustrações são a preto e branco, as vinhetas são lidas da direita para a esquerda e percorrem-se as páginas de trás para a frente. Quem ler a biografia, terá esse desafio.

The Osamu Tezuka Story - A Life in Manga and Anime by Toshio Ban and Tezuka Productions Translated by Frederik L. Schodt copy

A capa da biografia de Osamu Tezuka pela editora Stone Bridge Press

Em The Ozamu Tezuka Story (em português, A História de Osamu Tezuka), os leitores têm a oportunidade de explorar as duas vertentes — não fosse o ilustrador conhecido por ser o “deus do manga“, “o padrinho do anime” e o “Walt Disney do Japão”. Os três atributos permitiram a Osamu conquistar notoriedade e influência fora do seu país, especialmente nos Estados Unidos da América. Dos trabalhos de maior destaque, o Rapaz Astro (Astro Boy), Budha e O Imperador da Selva (Jungle Emperor) conquistaram o público norte-americano. Este último foi transformado no anime “Kimba, O Leão Branco” (“Kimba, the White Lion”).

Segundo o site Vox, grande parte do trabalho do ilustrador japonês — cerca de 700 bandas desenhadas — não é conhecido além fronteiras, devido “à abundância de material e porque o processo de licença, tradução e publicação é moroso e difícil”. No entanto, os obstáculos não impediram que o realizador Stanley Kubrick convidasse Tezuka para ser diretor de arte no filme 2001: Uma Odisseia no Espaço. O ilustrador recusou, porque não conseguia conciliar o filme com o trabalho que tinha no Japão.

Mesmo depois da morte de Tezuka em 1989, a relação da sua obra com a indústria cinematográfica norte-americana — e com a Disney em particular — foi motivo de algumas polémicas. Muitos acreditam que o êxito do filme “O Rei Leão” não passa de um plágio de “Kimba, O Leão Branco” de Tezuka. O jornal The Huffington Post faz neste artigo algumas comparações da obra japonesa com o filme da Disney, revela que alguns dos envolvidos na fita estavam familiarizados com o anime, enquanto outros membros da equipa negaram conhecer o trabalho de Osamu Tezuka.

A biografia de Tezuka na versão inglesa está à venda na Amazon, por cerca de 18 euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Editado por Pedro Esteves
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)