A Mercedes é mais um construtor que parece acreditar que os automóveis movidos a combustíveis alternativos serão rentáveis a relativamente curto prazo (dentro de cerca de 10 anos), preparando-se para desafiar a Tesla no território dos veículos eléctricos. E tudo indica que o fará de forma similar à sua rival BMW, que para o efeito criou a gama “i”.

O nome da nova submarca ainda não está escolhido mas, segundo indicam algumas fontes, está já planeada a introdução de dois SUV e de duas berlinas, tendo a própria Mercedes garantido que será mais do que um modelo. O que, a confirmar-se, faz sentido e está em linha com o anúncio feito em Junho pelo construtor, de que estaria a planear a apresentação de um modelo totalmente eléctrico já em Outubro, por ocasião do Salão de Paris – devendo a respectiva comercialização iniciar-se ainda antes do final da década. Tratar-se-á de um SUV capaz de oferecer uma autonomia de 500 km com uma única carga de bateria, e que também estreará a linguagem de design que a marca criou especificamente para a sua gama de automóveis eléctricos, de modo a conferir-lhes uma outra distinção.

A fábrica de Bremen foi a escolhida para produzir os novos veículos eléctricos da Mercedes, por sinal, a mesma onde também será fabricada a versão eléctrica a fuel cells do GLC, cuja bateria tanto pode ser carregada através do hidrogénio como a partir de uma tomada de corrente.

Simultaneamente, vale a pena lembrar que a marca da estrela já prometeu que todos os membros da actual gama da Smart conhecerão, a seu tempo, uma versão eléctrica, fazendo ainda parte dos seus planos o lançamento a breve trecho de um camião e de um autocarro de propulsão elétrica, recentemente apresentados.