O crescimento de 0,4% no segundo trimestre indica o desacelerar da economia em relação ao que se registou no princípio do ano, em que o PIB se situou nos 0,7%. No que diz respeito ao segundo trimestre de 2015, o crescimento do PIB situou-se nos 3,1%, naquele que foi o maior impulso verificado – nos dados inter anuais – dos últimos cinco anos.

A perda de ritmo do último trimestre de 2016 já tinha sido prevista por alguns especialistas que tinham, inclusivamente, indicado um crescimento menor (0,2%).

O Ministério da Economia de Berlim emitiu um comunicado na quinta-feira que já alertava para uma situação menos favorável sobre os dados dos últimos três meses apesar de frisar que a conjuntura alemã continua a ser “robusta”.

O motor da primeira economia europeia continuam a ser as exportações que registaram um crescimento “moderado”, segundo o documento difundido hoje pelo Destatis que, ao mesmo tempo, revela que as importações conheceram um decréscimo no último trimestre. O consumo privado continua a impulsionar a economia alemã mas, segundo o Destatis, o investimento no setor industrial perdeu força.