A ministra da educação sueca, Aida Hadzialic, pediu a demissão este sábado depois de ter sido apanhada pela polícia a conduzir com álcool no sangue.

Hadzialic anunciou que, há uns dias, quando regressava de um concerto, foi submetida a um teste de álcool que confirmou que tinha 0,2 miligramas de álcool no sangue, a quantidade mínima que na Suécia se considera delito. Em Portugal, o limite legal é de 0,5 miligramas de álcool.

“Decidi pegar no carro porque acreditava que já não estava sob o efeito do álcool”, afirmou a ministra, admitindo estar “profundamente arrependida” e “furiosa” consigo própria.

Em comunicado, o primeiro-ministro sueco, Stefan Lofven, também já lamentou ter de perder a colega de trabalho, que apresentará oficialmente a sua demissão na segunda-feira.