Nos primeiros sete meses do ano, o Grupo VW comercializou 2,519 milhões de veículos na Europa, ou seja mais 2,6% do que no ano anterior, com as vendas a crescerem 2,0% se considerarmos exclusivamente a parte ocidental e 6,6%% na Europa central e oriental. Mas o incremento mais robusto na procura verificou-se no mercado chinês (8,0%) e na região Ásia-Pacífico (5,9%).

No resto do globo, as vendas das marcas que constituem o Grupo VW (por ordem de volume de vendas a VW, Audi, Skoda, Seat, Porsche, incluindo ainda a VW Veículos Comerciais, Man e Scania) registaram algumas perdas e pelas razões mais díspares. Os maiores trambolhões tiveram lugar no Brasil (-32,6%), a braços com uma complexa crise económica e política que tornaram as vendas de veículos residuais. Na América do Sul, como um todo, o Grupo VW não exibiu uma performance muito mais animadora (-24,5%), motivada pelos problemas que assolam países como a Venezuela, para além dos já mencionados no Brasil.

Na Rússia, os embargos motivaram uma queda de 5,8%, enquanto na América do Norte o grupo germânico cai 1,4%, valor que atinge 6,8% de considerarmos exclusivamente os EUA. Ainda que negativo, este desempenho até pode ser considerado como uma boa performance, pois está acima da quebra nas vendas de automóveis no país do Tio Sam, onde em Julho as transacções de veículos convencionais caíram 9,0%, atingindo 13,4% no segmento que os americanos denominam Midsize Family Cars, onde se insere o VW Passat e o Audi A4. Com a redução do preço da gasolina, os condutores do outro lado do Atlântico voltaram a virar-se para as enormes pick-up e SUV, que sempre foram os seus preferidos, em detrimento das berlinas e carrinhas convencionais, consideravelmente mais ligeiras e económicas.

No que respeita ao desempenho individual de cada marca do grupo, a VW comercializou 3,374 milhões veículos nos primeiro sete meses do ano, ou seja, apenas menos 0,9% do que em 2015, enquanto a Audi cresceu 5,2%, a Skoda 4,1%, a Seat 0,2% e a Porsche 1,9%, fabricante que registou a maior queda do Grupo em Julho, ao ver as suas vendas caírem 6,8%. A procura por veículos comerciais VW aumentou 6,4%, enquanto nos pesados a Man desceu 0,9% e a Scania subiu 8,1%.