Um imã e o seu assistente foram mortos a tiro no sábado, na proximidade de uma mesquita em Nova Iorque, revelou a polícia norte-americana.

Maulama Akonjee, de 55 anos, e o seu assistente Thara Uddin, de 64, foram atingidos na cabeça pelas 14:00 de sábado (19h00 em Lisboa) no bairro de Ozone Park, em Queens.

Os dois foram transportados para o hospital Jamaica, onde foi declarada a morte do imã. O seu assistente sucumbiu, mais tarde, aos ferimentos, segundo disse à AFP um porta-voz da polícia.

Segundo a polícia, ainda não se conhecem as motivações do crime. “Nada indica, na investigação preliminar, que as vítimas tenham sido alvo devido à sua fé”, disse a polícia aos jornalistas.

O homem suspeito de ser autor dos disparos está atualmente em fuga. Testemunhas viram o suspeito deixar o local com um revolver após o tiroteio, segundo a polícia.

De acordo com os ‘media’ norte-americanos, os dois homens foram mortos quando saiam da mesquita Al-Furqan Jame Masjid, após a oração, envergando trajes religiosos.

“Quando um responsável religioso é morto em plena luz do dia, nas ruas de Queens, devemos permanecer juntos e exigir justiça!”, escreveu na sua conta de Twitter o representante do bairro no conselho municipal, Eric Ulrich.

Segundo imagens difundidas no Twitter, dezenas de pessoas juntaram-se no sábado à noite na zona do crime, gritando “Queremos que seja feita justiça”.

“Imaginem que o vosso pai é abatido sem razão (…) Quando ficamos em silêncio, permitimos que estes crimes continuem”, declarou Afaf Nasher, diretora da principal associação norte-americana de defesa dos muçulmanos CAIR (Council on American-Islamic Relations), para a região de Nova Iorque.