O papa Francisco lamentou este domingo o massacre ocorrido na República Democrática do Congo e criticou o “silêncio vergonhoso” que favorece a perpetuidade dos conflitos e a morte de inocentes sem “peso na opinião mundial”.

“O meu pensamento está com os habitantes do Kivu do Norte, na República Democrática do Congo, recentemente atingidos por novos massacres que se perpetuam devido a um silêncio vergonhoso e sem chamar a nossa atenção”, disse Francisco, falando à janela do Palácio do Vaticano. “Por desgraça fazem parte de tantos inocentes que não têm peso na opinião mundial”, adiantou.

De acordo com a informação divulgada esta segunda-feira na página da Rádio Vaticano, um grupo de homens armados assassinou na noite de sábado pelo menos 50 pessoas no Kivu do Norte, perto da fronteira com o Uganda.

As autoridades de Kinshasa atribuem o massacre ao grupo islamita ugandês das Forças Democráticas Aliadas, embora um missionário que relatou o ocorrido ao Vaticano tenha dito que ouviu os agressores falarem na língua dos soldados congoleses.