Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os enjoos quando se anda de carro (ou em qualquer outro meio de transporte) são um pesadelo para muita gente. Ainda que já se conheçam algumas soluções, a causa ainda não era bem clara. Muitos dizem que se deve a uma perturbação do ouvido interno, que cria a sensação de desequilíbrio. Mas o neurocientista Dean Burnett apresenta uma outra resposta no seu livro Idiot Brain: what your head is really up to, conta o The Telegraph.

O investigador da Universidade de Cardiff acredita que a sensação de náusea surge porque o cérebro acredita que foi envenenado e, como tal, manda a mensagem de que é preciso vomitar a toxina. Isto acontece porque o cérebro recebe sinais opostos e não os consegue assimilar, já que o corpo está parado, mas a paisagem a passar indica movimento. Para além dos estímulos visuais, também os sensores de equilíbrio dos ouvidos indicam movimento, apesar do corpo estar em repouso.

O médico explicou a sua teoria dizendo que “em termos evolutivos, a única coisa que pode causar um desencontro sensorial é uma neurotoxina ou veneno. Por isso o cérebro pensa, essencialmente, que está a ser envenenado. Quando está a ser envenenado, a primeira coisa que faz é ver-se livre do veneno, ou seja, vomitar.” Assim, a náusea e vontade de vomitar surgem porque o cérebro aciona um mecanismo de proteção já que não percebe bem o que se está a passar, então decide livrar-se da possível ameaça.

Ler ou olhar para ecrãs piora essa sensação porque, ao olhar para a janela, o cérebro percebe melhor que está de facto em movimento, ainda que o corpo não se mexa e a sensação de enjoo diminui porque o cérebro interpreta melhor o que está a acontecer. Segundo o neurocientista, outros exemplos que mostram que o cérebro ainda não se adaptou às exigências do mundo moderno são o jet-lag ou a ansiedade.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR