Está marcado para o próximo Inverno o início de comercialização do renovado Range Rover Sport. Em destaque, um novo motor a gasóleo, anunciado como o mais eficiente do mercado, a introdução de novas tecnologias de condução autónoma e a disponibilização de mais opções de personalização.

Debaixo do capot do Range Rover Sport passa a poder estar, pela primeira vez, um motor turbodiesel de quatro cilindros. Mas só a partir do início de 2017 e nas versões de cinco lugares, estejam estas equipadas com suspensão de molas helicoidais ou pneumática. Para o efeito, foi escolhida a unidade 2.0d da família Ingenium, já conhecida de outras propostas da marca, assim como de vários modelos da Jaguar. Mas que, para este efeito, recebeu um segundo turbompressor, sendo, por isso, o primeiro propulsor da Jaguar Land Rover a recorrer à tecnologia de dois turbos sequenciais em série.

Esta solução permite a este motor oferecer, aqui, 240 cv de potência e 500 Nm de bináro, garantindo a Land Rover que o mesmo não só é mais leve que o 3.0 TDV6, como está ao nível deste em termos de desempenho, proporcionando, até, uma resposta mais pronta. E tudo isto com um consumo combinado inferior em 10%, isto é, de somente 6,2 l/100 km, correspondente a emissões de CO2 de 164 g/km. Visualmente, os Range Rover equipados com esta unidade motriz são identificados por uma dupla ponteira de escape, mantendo as restantes versões a actual configuração de uma ponteira de escape de cada lado do para-choque traseiro.

Da oferta de motores a gasóleo do Range Rover Sport continuam a fazer parte os V6 de 3,0 litros com 258 cv e 600 Nm (TDV6), ou com 306 cv e 700 Nm (SDV6), assim como o V8 de 4,4 litros com 339 cv e 740 Nm. A gama a gasolina é composta pelo 5.0 V8 Supercharged, sobrealimentado por um compressor mecânico volumétrico, capaz de oferecer 510 cv e 625 Nm, ou 550 Cv e 680 Nm (neste último caso, estando reservado em exclusivo à variante SVR de altas prestações).

Além deste novo motor, o Range Rover Sport passa a contar com novos sistemas de auxílio à condução, como sejam a Assistência Avançada do Reboque, a Assistência nos Ângulos Mortos e o Limitador de Velocidade Inteligente. No primeiro caso, uma câmara filma a zona traseira, projectando a imagem captada no ecrã de bordo central, para que o condutor possa controlar a direção do reboque através do controlo rotativo do sistema Terrain Response 2.

Em seguida, o próprio veículo direciona o reboque de forma autónoma, colocando-o no lugar desejado, bastando ao condutor controlar os pedais do acelerador e de travão. Além de facilitar as manobras com atrelado, o sistema alerta o condutor caso este se aproxime de uma situação de viragem excessiva, podendo este monitorizar potenciais obstáculos que se encontrem em redor do veículo através do sistema de câmaras panorâmicas.

Marca com invejáveis pergaminhos no todo-o-terreno, a Land Rover introduziu no Range Rover Spot alguns melhoramentos que lhe conferem aptidões acrescidas neste domínio. O Arranque de Baixa Tracção é um deles, um sistema que auxilia o condutor no arranque em pisos de aderência reduzida como lama, relva molhada ou gelo, seleccionável pelo condutor no menu do ecrã do sistema de infoentretenimento. Sempre que, através do selector do Terrain Response 2, for selecionado o modo Relva/Gravilha/Neve, o sistema sugerirá automaticamente ao utilizador que opte pelo Arranque de Baixa Tracção. Uma vez activado, este programa, disponível a velocidades inferiores a 30 km/h, controla o binário transmitido às rodas, reduzindo as perdas de tracção, podendo ainda ser utilizado para superar declives de aderência reduzida.

Para além deste novo modo de funcionamento do Terrain Response 2, o Range Rover Sport da nova geração conta com um Centro de Informação All-Terrain optimizado, em que são apresentadas informações úteis para a condução em todo-o-terreno. Aqui se incluem a direcção das rodas dianteiras, o estado do sistema do Sensor de Passagem a Vau e as imagens captadas pelas câmaras panorâmicas, para facilitar as manobras a baixa velocidade nos terrenos mais exigentes.

No domínio da conectividade, referência para a introdução do sistema InControl Touch Pro, com ecrã táctil de 10” e funcionamento semelhante ao dos smartphones, nas funções de ampliação de imagens ou de navegação entre menus. Passam, igualmente, a estar disponíveis aplicações personalizadas para reprodução de música, contactos e calendários sempre que o smartphone do utilizador estiver emparelhado com o veículo. Se bem que, através da função Pro Services seja possível descarregar aplicações e instalá-las directamente no sistema.

Por seu turno, a função InControl Remote Premium permite monitorizar remotamente o veículo através de uma aplicação específica para smartphone, sendo possível consultar a quilometragem percorrida ou o nível de combustível, bem como destrancar e trancar o fecho central, ou ajustar o sistema de ar condicionado automático.

Quanto à aparência exterior do renovado Range Rover Sport, as versões Dynamic passam a contar com vários elementos em preto brilhante (grelha dianteira, grelhas laterais, grelhas no capot, caixas dos espelhos e anagrama no capot e na tampa da bagageira), e com o logótipo “Sport’” e as pinças de travão pintados de vermelho. Nas variantes Autobiography, passa a estar disponível a opção Bright Pack, com vários elementos com acabamento brilhante.

Disponível em Portugal a partir do próximo Inverno, o renovado Range Rover Sport será proposto entre nós a partir dos 97.319€ pedidos pela versão 3.0 TDV6 de 248 cv.