Pedro Sánchez garante que o partido que lidera, os socialistas espanhóis do PSOE, irá votar contra qualquer orçamento apresentado por Mariano Rajoy. “O PSOE é a alternativa, não é um aliado potencial“, afirmou Sánchez, citado pelo El País. O líder socialista reage, assim, à pressão pelo agendamento do debate de investidura para 30 de agosto. Se Mariano Rajoy não conseguir a investidura como chefe do governo, haverá uma terceira ida às urnas no dia de Natal.

“O PSOE votará contra a investidura e contra o orçamento, que certamente trará mais cortes”, afirmou Pedro Sánchez. Convidado a comentar a data escolhida para o debate de investidura, Sánchez afirma que este debate chega com “oito meses de atraso” mas sublinhou, contudo, que Mariano Rajoy “finalmente” acabou com o impasse ao tentar a votação parlamentar para se tornar chefe do governo.

Pedro Sánchez deixa a porta aberta a uma eventual reunião com Mariano Rajoy — o líder socialista diz, mesmo, estar disponível — mas mantém a bola no campo de Rajoy. “O que Rajoy tem de fazer é chegar a acordo com os seus possíveis aliados — um dos quais é o Ciudadanos”, afirma Sánchez, defendendo que Rajoy “continue a falar, a negociar” com os seus aliados. “O PSOE não é um deles”, afiança o líder socialista.

O PSOE aponta, contudo, as suas prioridades, designadamente caso venha a haver uma reunião com Rajoy. “O PSOE não vai fazer qualquer cedência no combate à corrupção, à desigualdade, à precariedade e ao desemprego”, afirma Pedro Sánchez. O socialista reconheceu, contudo, que “ninguém quer terceiras eleições”.