O grupo da Defesa Civil da Síria, mais conhecido como os Capacetes Brancos, foram nomeados esta quinta-feira, para o Prémio Nobel da Paz. Este grupo de voluntários presta auxílio médico e resgata pessoas dos escombros.

São aproximadamente 3 mil elementos – antigos padeiros, engenheiros, farmacêuticos, pintores – que se uniram para salvar vidas, independentemente da religião e ideologia política. De acordo com o site oficial da organização, os Capacetes Brancos já salvaram mais de 60 mil vidas e o número continua a aumentar.

Os voluntários prestam apoio em várias regiões da Síria, incluindo as áreas mais afetadas pelo conflito como Aleppo, Idlib, Latakia, Homs, Deraa e Damasco. Um dos resgastes mais mediático foi o caso de Omran Daqneesh, a criança de cinco anos retirado dos escombros após uma explosão em Aleppo que protagonizou a foto que está a correr mundo e a tornar-se icónica da guerra civil síria.

Em declarações à Al Jazeera, um dos elementos da organização Ammar Aosalmo esclareceu que já morreram, pelo menos, 134 membros dis Capacetes Brancos. Aosalmo afirmou que o grupo é visto por muitos como a última esperança e que é isso que os motiva a arriscar a sua própria vida: “As pessoas confiam em nós. Quando nós olhamos para os seus olhos, vemos que precisam de ajuda… As pessoas sentem-se mais seguras quando estamos por perto”.

O vencedor do Prémio Nobel da Paz vai ser revelado a 7 de outubro.

Texto editado por Filomena Martins