“Este é o meu festival preferido”, diz-nos Marina, sobre o Vodafone Paredes de Coura. Tudo normal, não fosse Marina uma parisiense, habituada a frequentar vários festivais em França e também em Portugal, já que os pais são portugueses. “Nos festivais em Paris, as pessoas são muito vaidosas, estão lá para se mostrar.” No festival minhoto, reina a simplicidade e o conforto. Pelo menos tendo em conta as pessoas com quem nos fomos cruzando na quarta e na quinta-feira, no recinto.

Não é só em Paris, uma das capitais mundiais na moda, que há festivaleiros a escolher a indumentária com o cuidado de quem se prepara para ir a um casamento. O NOS Alive é um bom exemplo disso e, nas casas de banho, os muitos espelhos que a organização disponibilizou estavam sempre ocupados por raparigas a retocar a maquilhagem.

No Vodafone Paredes de Coura, as casas de banho são módulos portáteis e já é uma sorte se ainda houver papel higiénico. Em termos de moda, a tendência predominante são sapatilhas cobertas de lama, t-shirts e tops enquanto há sol e, à noite, quando o frio aperta, camisolas ou casacos de algodão que, ou só têm uma cor, ou são de um clube de futebol, ou têm as iniciais da faculdade.

No fundo, roupa confortável porque a tarde foi passada na praia fluvial do Taboão, a estadia é num campismo e o que interessa mesmo é a música. Mesmo assim, há apontamentos de originalidade que merecem um flash, e que reunimos na fotogaleria em cima.