O nadador norte-americano Ryan Lochte assumiu a responsabilidade pelas declarações que davam conta de um alegado assalto a quatro nadadores norte-americanos num posto de abastecimento, no último domingo, no Rio de Janeiro. Em entrevista à TV Globo, este sábado, o atleta admitiu que fez “acusações imaturas” no depoimento às autoridades brasileiras.

“Se não tivesse exagerado ou se tivesse contado a história completa nada disto teria acontecido. Eu estava a vir da Casa da França, estava altamente embriagado e fiz acusações imaturas. Se não tivesse feito isso, nada disso teria acontecido, as pessoas do mundo inteiro não estariam a prestar atenção a esta história, estariam apenas a assistir aos Jogos”, afirmou.

Lochte reconhece que “exagerou ” ao descrever o incidente como um assalto e justifica o seu relato pelo medo que sentiu ao ter uma arma apontada a si. “Tivemos que dar dinheiro, então pode chamar-se isso de assalto, extorsão, ou pode apenas dizer-se que tinha que pagar pelo dano no cartaz [do posto de abastecimento destruído pelos nadadores]. Não sei o que foi, tudo que sei é que estava assustado, porque havia uma arma apontada a nós. Mas depois disso, tudo ficou bem e voltamos em segurança para a Vila Olímpica.”

O nadador, no entanto, não acha que mentiu. “Não posso julgar se foi um roubo ou alguma coisa parecida. Tudo o que sei é que aconteceu, exagerei algumas partes e não contei tudo o que deveria ter contado, assumo total responsabilidade”. O atleta disse ainda que estava “embriagado” e que não havia dormido, quando fez a entrevista à NBC News para relatar o incidente.

O atleta, campeão olímpico no Rio 2016 nas estafetas 4 x 200 metros, concluiu dizendo que se sente “110% arrependido”. “Queria pedir desculpas ao dono do posto de abastecimento, à polícia brasileira, ao povo do Rio do Janeiro, ao povo do Brasil, a todos que se uniram para fazer esses Jogos Olímpicos maravilhosos, dizer que eu estou verdadeiramente 110% arrependido. Nunca mais vai acontecer, eu aprendi com isso”.

As investigações da polícia do Rio de Janeiro revelaram que Ryan Lochte, Gunnar Bentz, Jack Conger e James Feigen envolveram-se numa confusão num posto de abastecimento, apesar de terem relatado que tinham sido assaltados depois de virem de uma festa.

Segundo as autoridades, os atletas estavam alcoolizados e causaram distúrbios no estabelecimento, por isso, os funcionários do posto decidiram chamar a polícia e não permitir que eles abandonassem o local. Um dos seguranças apontou-lhes uma arma, porque, segundo testemunhas, um deles estava exaltado e agressivo. Após pagarem 100 reais (27 euros) e 20 dólares (17,6 euros) pelos danos, os seguranças do local deixaram-nos partir. Os nadadores foram indiciados pelas autoridades brasileiras por falsa comunicação de crime. O Comité Olímpico Internacional (COI) abriu, este sábado, uma comissão disciplinar contra os atletas.