Rio 2016

E o país “mais medalhado” dos Jogos Olímpicos é… as Bahamas

150

O ranking total de medalhas obtidas durante os JO é liderado pelos Estados Unidos. No entanto, avaliando outros parâmetros, como a media de medalhas per capita, são outros países que liderar a tabela

Shaunae Miller a "voar" para o ouro nos 400 metros

AFP/Getty Images

Os Estados Unidos da América dominaram os Jogos Olímpicos em número de medalhas de ouro. Ao todo os atletas americanos conseguiram 46 medalhas de ouro – e 37 de prata e 38 de bronze. Os EUA foram o país com mais medalhas de ouro no total, mas se fizermos a media per capita, o país ocupa apenas a 31ª posição dos países mais medalhados, um ranking onde as Bahamas lideram, apesar de terem apenas duas medalhas, mas com uma de ouro.

Os países com mais medalhas por habitante

Shaunae Miller, a corredora bahamense que venceu a medalha de ouro de uma forma invulgar, conseguiu a única medalha de ouro para o seu país nestes jogos olímpicos, havendo também uma medalha de bronze. As Bahamas ocupam assim o 51º lugar na classificação de países mais medalhados nesta edição dos Jogos, em ex aequo com a Costa do Marfim e os Atletas Olímpicos Independentes.

No entanto a pequena nação do Oceano Atlântico conta apenas com 388.000 habitantes, o que significa que, com o ouro de Miller, foram ganhas 2,6 medalhas de ouro por cada milhão de pessoas.

Já Grenada, um pequeno país do mar das Caraíbas, conseguiu uma medalha de prata — Kirani James garanitu o segundo lugar na final dos 400 metros masculinos — e tornou-se o país com mais medalhas per capita. Com apenas 90.550 habitantes, o triunfo de Kirani James significa que existiriam cerca de 9,4 medalhas por cada milhão de granadinos (se houvesse um milhão de granadinos…).

Com 67 medalhas, 27 das quais de ouro, e perto de 65 milhões de habitantes, a Grã-Bretanha conquistou aproximadamente uma medalha por cada milhão de habitantes. Já os Estados Unidos da América conseguiram 121 medalhas olímpicas, o que significa cerca de 0,4 medalhas por cada milhão de habitantes. A China, o país mais populoso do mundo, tem apenas 0,05 medalhas por cada milhão de pessoas.

Com cerca de 10 milhões de habitantes, a medalha de bronze conseguida por Telma Monteiro no judo significa que por cada milhão de residentes em Portugal existem 0,1 medalhas. Melhora o nosso ranking global, mas não muito (ficámos em 78º no ranking global, subiríamos para 58º neste ranking alternativo).

Untitled_infographic (2)

Azerbaijão, o país com os atletas mais eficazes

Em termos de eficácia quando consideramos o número de atletas levados aos Jogos Olímpicos, o Azerbaijão lidera o ranking.

Com uma equipa composta por 56 atletas, a República Democrática do Azerbaijão conseguiu 18 medalhas, ou seja, 0,3 medalhas por cada um dos seus atletas.

A Etiópia, com 35 atletas, conseguiu oito medalhas ao todo, o que se traduz em 0,24 medalhas por cada atleta que esteve presente nos Jogos do Rio de Janeiro. Os Estados Unidos da América conseguiram 0,22 medalhas por cada um dos seus atletas. Tanto a Rússia como a Coreia do Sul conseguiram aproximadamente 0,20 medalhas por cada um dos atletas presentes nos JO 2016.

Portugal conseguiu cerca 0,01 medalha por cada atleta do seu contingente de 89 desportistas.

Untitled_infographic (3)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)