Rádio Observador

Aquecimento Global

Aparecimento de lagos na Antártida preocupa cientistas

512

Na Antártida, onde está a maior concentração de gelo do planeta, estão a ser encontrados lagos que rapidamente drenam para o interior dos glaciares, comprometendo assim a sua estabilidade.

A Antártida representa a grande massa de gelo do planeta, e a que, como se acreditava até agora, está a sofrer um degelo mais lento

Getty Images

O surgimento de lagos de água azuis na Antártida está a preocupar os cientistas, revela um estudo publicado no início deste mês, que dá conta do aparecimento e rápido crescimento destes lagos que drenam para o interior dos glaciares, colocando assim em risco a sua estabilidade. A Antártida tem a maior massa de gelo do planeta e onde se tem registado menor degelo, um dos argumentos utilizados pelos mais céticos relativamente ao aquecimento global, mas estes lagos são semelhantes aos que aparecem na Gronelândia, onde o degelo é mais acentuado.

O estudo, baseado na análise de imagens de satélite do continente, revelou o aparecimento de perto de 8 mil lagos entre 2000 e 2013, na zona do glaciar de Langhovde, na zona oriental da Antártida. Além disso, os lagos estão a formar-se em zonas que podem ser fulcrais para a coesão de muitas massas de gelo, podendo ter como consequência a fratura de partes do glaciar.

Trata-se da primeira vez que um fenómeno desta dimensão é observado na Antártida Oriental, que “é a parte do continente que as pessoas assumiram, durante muito tempo, ser relativamente estável”, explicou ao The Washington Post o investigador Stewart Jamieson, um dos autores do estudo. Na publicação, os investigadores alertam para consequências semelhantes às observadas na Gronelândia: “Sabe-se que os lagos supraglaciais acentuam o derretimento da capa de gelo da Gronelândia, e potencialmente causam a desintegração da plataforma de gelo da península Antártica”.

De acordo com os investigadores, estes lagos têm sido a principal razão pela qual a Gronelândia tem derretido tão rapidamente. A água dos lagos, formados na superfície dos glaciares, pode penetrar no interior das massas de gelo, comprometendo a sua estabilidade. O estudo divulgado agora vem trazer um novo dado preocupante: o aparecimento dos lagos e o seu posterior desaparecimento no interior dos glaciares tem-se verificado de forma muito rápida. Um lago pode aparecer e desaparecer em apenas cinco dias.

lagos glaciar

Exemplo de drenagem de um conjunto de lagos. As imagens têm uma diferença de 12 dias. A imagem da direita é de 14 de janeiro de 2005, e a da esquerda de 26 de janeiro. As imagens, divulgadas pelo The Washington Post, foram obtidas a partir da base de dados ESDIS, da NASA.

Apesar de nunca se ter observado um problema com esta dimensão na Antártida, o continente gelado apanhou um susto em 2002, altura em que um bloco de gelo com mais de 3.250 quilómetros quadrados (maior que o Luxemburgo, como lembra o El País), se desprendeu da península. É precisamente neste local, perto da América do Sul, que se têm registado os maiores aumentos de temperatura dos últimos anos no hemisfério sul.

Jamieson, o líder da equipa que conduziu o estudo, explica que a investigação não pode ainda provar que o gelo na Antártida esteja a ficar enfraquecido, até por ser muito difícil analisar as consequências do degelo no Sul, ao contrário da Gronelândia. No entanto, admite a preocupação com o futuro: Os lagos “provavelmente não são suficientemente grandes para fazer muito no presente, mas se o aquecimento global continuar no futuro, só podemos esperar que o tamanho e o número destes lagos aumente”, disse ao jornal norte-americano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Alterações Climáticas

O Triunfo dos Porcos

João Pires da Cruz
673

A ciência não é uma questão de opinião. Não é uma democracia onde se valoriza a liberdade de expressão. Vive de alguma diversidade, mas só na posse de todos os dados, no conhecimento do que está certo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)