Aquecimento Global

Aparecimento de lagos na Antártida preocupa cientistas

512

Na Antártida, onde está a maior concentração de gelo do planeta, estão a ser encontrados lagos que rapidamente drenam para o interior dos glaciares, comprometendo assim a sua estabilidade.

A Antártida representa a grande massa de gelo do planeta, e a que, como se acreditava até agora, está a sofrer um degelo mais lento

Getty Images

O surgimento de lagos de água azuis na Antártida está a preocupar os cientistas, revela um estudo publicado no início deste mês, que dá conta do aparecimento e rápido crescimento destes lagos que drenam para o interior dos glaciares, colocando assim em risco a sua estabilidade. A Antártida tem a maior massa de gelo do planeta e onde se tem registado menor degelo, um dos argumentos utilizados pelos mais céticos relativamente ao aquecimento global, mas estes lagos são semelhantes aos que aparecem na Gronelândia, onde o degelo é mais acentuado.

O estudo, baseado na análise de imagens de satélite do continente, revelou o aparecimento de perto de 8 mil lagos entre 2000 e 2013, na zona do glaciar de Langhovde, na zona oriental da Antártida. Além disso, os lagos estão a formar-se em zonas que podem ser fulcrais para a coesão de muitas massas de gelo, podendo ter como consequência a fratura de partes do glaciar.

Trata-se da primeira vez que um fenómeno desta dimensão é observado na Antártida Oriental, que “é a parte do continente que as pessoas assumiram, durante muito tempo, ser relativamente estável”, explicou ao The Washington Post o investigador Stewart Jamieson, um dos autores do estudo. Na publicação, os investigadores alertam para consequências semelhantes às observadas na Gronelândia: “Sabe-se que os lagos supraglaciais acentuam o derretimento da capa de gelo da Gronelândia, e potencialmente causam a desintegração da plataforma de gelo da península Antártica”.

De acordo com os investigadores, estes lagos têm sido a principal razão pela qual a Gronelândia tem derretido tão rapidamente. A água dos lagos, formados na superfície dos glaciares, pode penetrar no interior das massas de gelo, comprometendo a sua estabilidade. O estudo divulgado agora vem trazer um novo dado preocupante: o aparecimento dos lagos e o seu posterior desaparecimento no interior dos glaciares tem-se verificado de forma muito rápida. Um lago pode aparecer e desaparecer em apenas cinco dias.

lagos glaciar

Exemplo de drenagem de um conjunto de lagos. As imagens têm uma diferença de 12 dias. A imagem da direita é de 14 de janeiro de 2005, e a da esquerda de 26 de janeiro. As imagens, divulgadas pelo The Washington Post, foram obtidas a partir da base de dados ESDIS, da NASA.

Apesar de nunca se ter observado um problema com esta dimensão na Antártida, o continente gelado apanhou um susto em 2002, altura em que um bloco de gelo com mais de 3.250 quilómetros quadrados (maior que o Luxemburgo, como lembra o El País), se desprendeu da península. É precisamente neste local, perto da América do Sul, que se têm registado os maiores aumentos de temperatura dos últimos anos no hemisfério sul.

Jamieson, o líder da equipa que conduziu o estudo, explica que a investigação não pode ainda provar que o gelo na Antártida esteja a ficar enfraquecido, até por ser muito difícil analisar as consequências do degelo no Sul, ao contrário da Gronelândia. No entanto, admite a preocupação com o futuro: Os lagos “provavelmente não são suficientemente grandes para fazer muito no presente, mas se o aquecimento global continuar no futuro, só podemos esperar que o tamanho e o número destes lagos aumente”, disse ao jornal norte-americano.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Crónica

Os meninos à roda da propaganda /premium

Helena Matos
2.321

O menino que em 2012 chorava porque a mãe não tinha dinheiro para comprar bolachas agora quer salvar o planeta. O que mudou? A cor política do Governo. As bolachas essas continuam iguais. 

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)