437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Caminhante sobrevive 30 dias no gelo neozelandês. Namorado morre.

Este artigo tem mais de 5 anos

Pavlina Pizova, caminhante checa, sobreviveu 30 dias no deserto gelado da Nova Zelândia. O seu namorado, Ondrej Petr, não resistiu a uma queda e morreu poucos dias depois do início da aventura.

i

AFP/Getty Images

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pavlina Pizova, uma caminhante da República Checa, sobreviveu 30 dias no deserto gelado da Nova Zelândia depois de assistir à queda mortal do seu namorado, Ondrej Petr. As autoridades encontraram Pizova, na última quinta-feira, numa cabana no Parque Nacional de Fiordland, a 50 quilómetros de Queenstown.

A caminhante de 33 anos deu na sexta-feira uma conferência de imprensa em que explicou que as condições meteorológicas eram extremamente adversas e, por isso, o casal tentou chegar a um abrigo. Nesse momento, o seu companheiro escorregou numa rampa de gelo e ficou preso entre pedras e ramos de árvore. Pizova ainda passou uma noite ao lado de Petr, mas este acabou por falecer, esclarece a NBC.

Depois de tentar retirar o corpo do jovem de 27 anos, Pizova conseguiu chegar à cabana, onde sobreviveu com comida deixada pelos guardas. Tentou diversas vezes sair do abrigo para procurar ajuda, mas a neve e as sucessivas avalanches não o permitiram. Apesar de existir um rádio, a caminhante checa não conseguiu entender as instruções dadas em inglês.

De acordo com a Associated Press, o percurso de 32 quilómetros que ambos tentaram realizar demora cerca de três dias a ser fazer-se no verão, mas pode-se tornar traiçoeiro no inverno, devido às condições climatéricas. Recorde-se que o inverno no hemisfério sul decorre entre os meses de junho e agosto.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Pizova admitiu que estavam mal preparados para a viagem, uma vez que não avisaram os seus familiares e amigos de que iam fazer este percurso: “Estou ciente de que cometi alguns erros”, disse Pizova. Apesar disso, os amigos e familiares estranharam a sua ausência e avisaram as autoridades. Depois de encontrarem o carro dos caminhantes, no início da rota, enviaram um helicóptero que descobriu a sobrevivente.

O corpo de Ondrej Petr já foi encontrado.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.