O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, está esta noite reunido no Funchal com todos os presidentes de Câmara dos concelhos afetados pelos incêndios que deflagraram na segunda semana de agosto e que deixaram 233 famílias desalojadas.

“Esta noite toda, enquanto estiverem a descansar, estou a ter reuniões com a senhora ministra [da Administração Interna] e com as câmaras municipais e depois haverá [uma reunião] com o Governo Regional [da Madeira]”, anunciou o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa fez esta declaração aos jornalistas após uma visita a 16 famílias que se encontram temporariamente a residir na zona da Cancela, perto do Funchal.

O chefe de Estado chegou ao final da tarde de hoje ao Funchal para uma visita de três dias à Região Autónoma da Madeira

Marcelo Rebelo de Sousa começou por prestar homenagem aos mortos junto ao Monumento ao Combatente, percorreu a pé o interior do regimento, tendo observado os tipos de equipamento militar ali existentes e inaugurou ainda uma unidade de saúde militar.

Na apresentação da unidade de saúde, o comandante da Zona Militar da Madeira, Rui Clero, anunciou que a mesma poderá vir a prestar apoio à PSP e à GNR, palavras que dirigiu à ministra que tutela as polícias, Constança Urbano de Sousa.

A visita ao Regimento de Guarnição n.º 3, que nos dias dos incêndios que assolaram a ilha albergou cerca de 900 pessoas, durou mais de uma hora.

A acompanhar o chefe de Estado estiveram, entre outros, o Representante da República, Irineu Barreto, o Chefe de Estado-Maior do Exército, José Rovisco Duarte, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello, o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque e o presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo.

O Governo Regional da Madeira avaliou em 157 milhões de euros as necessidades para fazer frente aos prejuízos causados pelos incêndios, informou na sexta-feira o secretário regional das Finanças e Administração Pública, Rui Gonçalves. O governante madeirense revelou também que 62,5 milhões de euros já têm financiamento garantido.