IMI

Assunção Cristas acusa Governo de “cegueira ideológica” por querer cobrar IMI à Igreja

1.473

Os responsáveis da Igreja dizem que não querem "qualquer privilégio" do Estado e que apenas se cumpra o que está na Concordata. Líder do CDS sugere tributação do património dos partidos políticos.

OCTÁVIO PASSOS/LUSA

Autores
  • João Pedro Pincha
  • Agência Lusa

A líder do CDS-PP tomou esta segunda-feira posição sobre o diferendo que opõe a Igreja Católica ao Governo, no que diz respeito à cobrança do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) de algumas paróquias portuguesas. Para Assunção Cristas, que escreveu um texto no Facebook, “a cegueira ideológica e a preferência pela tributação do património está a chegar longe de mais”.

Desde o início de agosto que dezenas de paróquias estão a ser notificadas pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) para pagarem o IMI sobre conventos, residências paroquiais, salas de catequese e outros equipamentos afetos à Igreja Católica — que a mesma considera estarem isentos do imposto, nos termos da Concordata celebrada em 2004.

Os ecónomos e vigários-gerais de diversas dioceses estiveram esta segunda-feira reunidos em Fátima para preparar uma resposta conjunta ao Ministério das Finanças. Desse encontro saiu a garantia de que a Igreja não quer “qualquer privilégio” e que apenas pretende que o Estado aja “em conformidade com a lei e o Direito”, refere uma nota à comunicação social citada pela Rádio Renascença.

Para a Igreja, as disposições da Concordata que isentam os edifícios religiosos do pagamento de impostos abrangem também estes equipamentos anexos vocacionados para atividades paralelas. Em alguns casos, os imóveis destinam-se a fins sociais e caritativos. Para o Ministério das Finanças, a isenção limita-se aos edifícios “diretamente afetos a fins religiosos”.

Segundo o artigo 26º da Concordata celebrada em 2004, a Igreja está isenta de “qualquer imposto ou contribuição geral, regional ou local” sobre:

a) Os lugares de culto ou outros prédios ou parte deles diretamente destinados à realização de fins religiosos;
b) As instalações de apoio direto e exclusivo às atividades com fins religiosos;
c) Os seminários ou quaisquer estabelecimentos destinados à formação eclesiástica ou ao ensino da religião católica;
d) As dependências ou anexos dos prédios descritos nas alíneas a) a c) a uso de instituições particulares de solidariedade social;
e) Os jardins e logradouros dos prédios descritos nas alíneas a) a d) desde que não estejam destinados a fins lucrativos;
f) Os bens móveis de caráter religioso, integrados nos imóveis referidos nas alíneas anteriores ou que deles sejam acessórios.

PSD quer ouvir Governo

O PSD exigiu explicações ao Governo sobre este tema, argumentando que as necessidades de receita fiscal do Governo têm de respeitar a lei e os tratados internacionais.

O deputado social-democrata Duarte Pacheco argumentou, em declarações à Lusa, que “o Governo está a precisar de receitas fiscais, essas receitas podem vir de querer tributar o sol, querer tributar a Igreja, querer tributar amanhã o ar que respiramos, mas têm que estar de acordo com a lei e com os tratados internacionais”.

“Se a lei previa que fosse, se um tratado internacional previa que fosse e o Estado, com sucessivos governos, nunca cobrou, estava a fazer um ato ilegal? Presume-se que não, que tinha fundamento legal as decisões de sucessivos governos. As isenções não podem ser dadas só por capricho de alguém, as isenções são dadas com base num fundamento legal”, sustentou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)