Foi encontrado morto, em Kiev, o jornalista russo Alexander Shchetinin, fundador de uma agência de notícias ucraniana e crítico do governo de Vladimir Putin. O corpo de Shchetinin foi encontrado na varanda da casa onde vivia há alguns anos, na capital ucraniana, com um ferimento de bala na cabeça. Ao pé do jornalista encontrava-se uma arma e uma nota de suicídio.

Segundo a agência noticiosa Unian, que cita um jornal local de Kiev, foram os amigos de Shchetinin que o encontraram morto, no sábado, dia em que o jornalista fazia anos. De acordo com a mesma fonte, a polícia ucraniana está a a abordar o caso como um suicídio, uma vez que Shchetinin terá enviado um e-mail a familiares a falar na possibilidade de se matar. Também a agência Nova Região — que foi fundada pelo jornalista — refere que Shchetinin se debatia com problemas financeiros e pessoais.

Alexander Shchetinin tinha nacionalidade russa, mas vivia na Ucrânia pelo menos desde 2005. Aquando dos acontecimentos que levaram à guerra civil no país e à anexação da Crimeia pela Rússia, o jornalista renunciou à cidadania russa e, de acordo com um amigo citado pela Nova Região, sofreu inúmeras pressões do governo de Putin.

Em dezembro de 2014, Alexander Shchetinin escreveu um texto em que argumentava que as autoridades russas o tinham transformado no “Bin Laden da Rússia”. Nesse artigo, o jornalista queixava-se de que todas as suas contas bancárias em Moscovo tinham sido congeladas por alegado “financiamento ao terrorismo”.