Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um homem britânico garante ter reconhecido o filho de 13 anos num vídeo do Estado Islâmico a executar um prisioneiro. A criança já tinha sido identificada como o filho de Sally Jones, uma mulher americana de 47 anos que se juntou ao Estado Islâmico, e que é considerada uma das terroristas mais procuradas do mundo, conhecida por recrutar mulheres para a organização terrorista.

O pai, ex-marido da terrorista, que prefere não ser identificado, veio agora dizer que o rapaz é JoJo, e acusa Jones de ter feito uma lavagem cerebral ao seu filho mais novo. Sally Jones mudou-se para a Síria em 2013, levando o filho, na altura com 10 anos.

Untitled-1.jpg

JoJo, de 13 anos (segundo a partir da direita), aparece num vídeo do Estado Islâmico a executar um prisioneiro.

O homem reconheceu ao Daily Mail que o filho “era apenas um rapaz normal, que perseguia insetos, ia ao parque”, e lamentou a atitude da ex-mulher, declarada pela ONU como uma das mais perigosas terroristas do mundo. “É repugnante que ele tenha sido manipulado”, afirmou ao jornal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sally Jones casou com um radical islâmico depois de deixar o marido, e mudou o nome do filho JoJo para Hamza, mudando-se para a Síria com a nova família. Neste novo vídeo, divulgado recentemente pela organização terrorista, vê-se o jovem britânico, lado a lado com crianças do Egito, Curdistão, Tunísia e Uzbequistão, a executar prisioneiros.

Um amigo do pai de JoJo disse ao jornal que o filho era uma criança “inocente, que não sabe distinguir o bem do mal”. “Quero saber o que faz uma mãe pôr o seu filho numa posição tão perigosa”, admitiu o amigo do pai, que também não quis ser identificado.

Segundo dados da Quilliam Foundation, uma organização antiterrorismo, haverá pelo menos 50 crianças britânicas a viver em zonas controladas pelo Estado Islâmico, na Síria e no Iraque.