Depois de ter denunciado a falta de pagamentos aos trabalhadores dos filmes portugueses O Ornitólogo e Zeus, no início de agosto, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual (CENA), anunciou agora que, apesar de alguns salários já terem sido pagos, a situação está longe de ficar resolvida. Além disso, o CENA garante que os casos não são únicos em Portugal e está mesmo a reunir mais situações e pede a colaboração de quem tenha conhecimento de outros casos.

Num comunicado emitido esta segunda-feira, a organização sindical explica que, apesar de “alguns trabalhadores” terem sido pagos, “a situação de incumprimento encontra-se ainda longe de estar resolvida”. De acordo com o CENA, no caso de O Ornitólogo, um filme de João Pedro Rodrigues produzido pela Blackmaria, existem ainda nove trabalhadores com salários em atrasos, um deles parcialmente. O próprio realizador, vencedor do prémio de Melhor Realização no Festival de Locarno, continua sem receber, ao mesmo tempo que a produtora se recusa a comunicar com os trabalhadores ou com o CENA.

No que diz respeito a Zeus, filme realizado por Paulo Filipe Monteiro e produzido pela Happygénio há oito meses, existem quatro trabalhadores que ainda não foram pagos — dois totalmente e dois parcialmente. Os pagamentos têm sido feitos “de forma aleatória”, garante o CENA, acrescentando que “a produtora deixou de atender telefonemas ou responder a e-mails dos trabalhadores e do CENA”.

O Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual garante que os casos de O Ornitólogo e Zeus não são únicos no cinema português e que existem outros trabalhadores em situações muito semelhantes. O CENA está neste momento a tentar “fazer um balanço mais alargo e preciso possível”, pedindo, por isso, a “todos os profissionais que se encontrem com salários em atraso que contactem o CENA para os apoiarmos no cumprimento do direito básico à remuneração pelo seu trabalho.”

O CENA e o Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos (STE) enviaram um pedido de reunião ao Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) com o objetivo de “discutir os acontecimentos recentes e o contexto geral do setor”. “Cabe também ao ICA desenvolver esforços para que os dinheiros públicos dos concursos de apoio à criação audiovisual não continuem a ser atribuídos aqueles que desrespeitam os direitos dos trabalhadores”, refere por fim o comunicado do CENA.