O comércio internacional de mercadorias nos países do G20 cresceu de forma “modesta” no segundo trimestre, após ter vindo a descer ininterruptamente desde inícios de 2014, anunciou esta terça-feira a OCDE.

Em comunicado, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) informa que, após sete trimestres consecutivos em baixa, as exportações dos países do G20 (19 maiores economias do mundo mais a União Europeia) aumentaram 1,5% entre abril e junho, enquanto as importações, que vinham a recuar há oito trimestres, subiram 2%.

Segundo a organização, na base desta inversão de tendência está sobretudo o aumento do preço do petróleo, cuja cotação estava em junho em torno dos 50 dólares o barril, contra os cerca de 35 dólares de dezembro.

No segundo trimestre, as exportações aumentaram em todos os país do G20, exceto na Argentina (-7,3%), no Canadá (-0,2%) e na China (-2%). No caso do Canadá, o volume exportado foi o mais baixo dos últimos seis anos, acumulando sete trimestres consecutivos de quebras.

Pelo contrário, a Índia, África do Sul e Turquia registaram as maiores subidas entre abril e junho, acima dos 5%.

No que se refere às importações, aumentaram em todos os membros do G20, à exceção da Argentina (-3,7%), França (-0,5%), Índia (-3,7%), Indonésia (-1,2%), México (-0,1%) e, sobretudo, da Rússia (-5%).

A China destacou-se com uma subida de 6,6% das importações no segundo trimestre, embora o volume importado tenha ficado cerca de 20% aquém dos máximos alcançados recentemente.