A oito meses das presidenciais em França, o ministro da Economia, Emmanuel Macron, deu hoje a entender que poderá entrar na corrida a chefe de Estado, depois de sair do Governo do primeiro-ministro, François Hollande.

Sem anunciar explicitamente que é candidato às presidenciais, Emmanuel Macron afirmou que estava “determinado” a “construir um projeto” para “transformar França a partir do próximo ano”.

Insistindo que o país precisa de transformações a nível político, económico e social, o antigo ministro sublinhou que o debate para as fazer são as “campanhas presidenciais”.

A Presidência francesa confirmou a demissão do ministro, de 38 anos, para se “dedicar inteiramente ao seu movimento político Em Marcha”, criado em abril.

Atingido por uma impopularidade recorde, François Hollande deverá anunciar no final deste ano se vai recandidatar-se a um novo mandato.