A malha aperta-se. O Governo chinês vai impor duras restrições à difusão de notícias que promovam o estilo de vida ocidental e que ponham em causa, de alguma forma, os valores defendidos pelo Partido Comunista chinês.

A decisão do Governo chinês mereceu o destaque do International Business Times, que ajuda a perceber como este parece ser mais um passo do Presidente chinês, Xi Jinping, no sentido de controlar de forma cada vez mais repressiva os media daquele país.

De acordo com o regulador para os media chineses, citado pela mesma publicação, as notícias de caráter social ou de entretenimento devem ser fieis à ideologia dominante e transmitir “energia positiva” — um slogan desenvolvido pela máquina de propaganda chinesa para traduzir o conteúdo mediático assente nos valores mais tradicionais.

Segundo as novas orientações aprovadas, os jornais e televisões chinesas devem evitar, entre outras coisas, dar eco a piadas impróprias e evitar expressar “admiração ostensiva pelo estilo de vida ocidental”, endeusar celebridades e milionários estrangeiros.

O Governo chinês tem apostado num controlo rigoroso da Internet, bloqueando o acesso dos seus cidadãos a plataformas como Facebook e o Twitter, sempre sob o argumento de que essa é melhor forma de garantir a estabilidade e a segurança do país. Este parece ser mais um passo nesse sentido.