Rádio Observador

Cão

Afinal, o seu cão entende mesmo o que você lhe diz

3.047

Um estudo publicado esta semana na revista Science vem mostrar que os cães processam as palavras e lhes atribuem significado, e não reagem apenas à entoação e ao contexto.

Foram analisadas imagens por ressonância magnética de 13 cães, de quatro espécies diferentes

Quando diz “vem”, “senta” ou “dá a pata”, será que o seu cão percebe mesmo o que lhe está a dizer? A ideia generalizada que todos tínhamos é que os cães reagiam à entoação com que lhes falamos ou ao tipo de som, mas um novo estudo, publicado na revista Science, vem mostrar que os cães podem, de facto, responder às próprias palavras, e não apenas à entoação do som ou ao contexto em que é utilizado.

O estudo, realizado por cientistas da Universidade Eötvös Loránd, em Budapeste, consistiu na análise de imagens por ressonância magnética do cérebro de 13 cães domésticos. Os animais, de acordo com a publicação, foram treinados para se deitarem, sem se mexerem na máquina de ressonância magnética enquanto ouviam palavras dos donos. Para se fazer a análise, os cães ouviram palavras com significado, em tom de elogio e num tom neutro, e também palavras sem significado, com as duas entoações.

A análise das imagens obtidas permitiu tirar, pelo menos, uma conclusão importante: independentemente do tom (de ordem ou neutro), os cães processaram as palavras com significado com o hemisfério esquerdo do cérebro — tal como os humanos fazem. Já em relação às palavras sem significado, os cérebros dos cães não fizeram este processo. Para Attila Andics, que conduziu o estudo, “não há nenhuma razão acústica para esta diferença, o que mostra que as palavras têm significado para os cães”.

O estudo concluiu ainda que os cães processaram as diferentes entoações com o hemisfério direito do cérebro, e que, no caso das palavras ditas em tom de elogio, outra área do cérebro ficou ativa: a que processa a recompensa. Andics conclui, por isso, que os cães “integram os dois tipos de informação”, a entoação e a própria palavra, “para interpretar o que ouviram, tal como nós fazemos”.

As palavras existem também noutras espécies animais, recorda a Science. Golfinhos e papagaios fazem sons que muitas vezes funcionam como nomes, e galinhas, cães e alguns primatas utilizam sons diferentes para identificar predadores. Os cães são os mais avançados nesta questão: há espécies que conseguem identificar mais de mil palavras humanas, provavelmente atribuindo-lhes um significado.

Este estudo vem agora confirmar aquilo de que se suspeitava: os cães podem mesmo entender palavras. Dois cientistas ouvidos pela Science sublinham a importância desta descoberta. Tecumseh Fitch, biólogo cognitivo da Universidade de Viena, Áustria, garante que se trata de “um estudo importante, que mostra que os aspetos básicos da perceção do discurso pode ser partilhada por parentes muito distantes”. Já Julie Hecht, que estuda o comportamento e cognição dos cães na Universidade de Nova Iorque, é mais cautelosa. “Não significa que os cães entendam tudo o que dizemos, mas as nossas palavras e entoações não são desprovidas de significado para os cães“, explica a cientista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)