Eurostat

Desemprego na zona euro e UE regista novos mínimos em julho

A taxa de desemprego na zona euro baixou, em julho, para 10,1% e a da União Europeia para 8,6%, a mais baixa desde março de 2009. Grécia e Espanha têm as taxas mais altas dos 28 Estados-membros.

Malta e Alemanha são os países com a taxa de desemprego mais baixa no grupo dos 28 Estados-membros

Arne Dedert/EPA

A taxa de desemprego na zona euro baixou, em julho, para 10,1%, sendo a menor registada desde julho de 2011 e a da União Europeia recuou para 8,6%, a mais baixa desde março de 2009, divulga esta quarta-feira o Eurostat.

De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (UE), na zona euro, a taxa de desemprego manteve-se estável na comparação com junho e desceu 0,7 pontos percentuais em termos homólogos, para os 10,1%, o valor mínimo desde julho de 2011.

Já no que respeita ao conjunto dos 28 Estados-membros, a taxa de desemprego estabilizou na variação em cadeia e desceu 0,8 pontos na comparação com julho de 2015, ficando nos 8,6%, a menor desde março de 2009.

Em julho, as menores taxas de desemprego foram registadas em Malta (3,9%), República Checa e Alemanha (4,2% cada), enquanto as mais elevadas se observaram na Grécia (23,5% em maio) e em Espanha (19,6%).

No que respeita ao desemprego jovem, a zona euro registou, em julho, uma taxa de 21,1% (face aos 22,1% homólogos) e a UE uma taxa de 18,8% (que compara com os 20,2% de julho de 2015).

As menores taxas de desemprego jovem observaram-se em Malta (7,1%) e na Alemanha (7,2%), enquanto as mais elevadas se registaram na Grécia (50,3% em maio), em Espanha (43,9%) e Itália (39,2%).

Em Portugal, a taxa de desemprego foi de 11,1% e a de desemprego jovem de 26,3%, em julho.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)