O secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Murade Murargy disse hoje que a organização “tem que se conformar” com a destituição da ex-Presidente brasileira Dilma Rousseff.

“O Brasil soberanamente tomou as decisões que tomou, nós não temos que condenar ou apoiar”, disse.

“Brasil agora tem um novo governo, um novo Presidente que foi empossado ontem (quarta-feira) e nós temos é que conformar com a situação prevalecente”, acrescentou o secretário-executivo da CPLP, que falava a imprensa no final de uma audiência com o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades são-tomense, Salvador Ramos.

Dilma Rousseff foi deposta quarta-feira por decisão de mais de dois terços dos senadores, que a consideraram culpada da acusação de ter cometido crime de responsabilidade ao assinar três decretos de crédito suplementar sem autorização do Congresso e por realizar manobras fiscais para melhorar as contas públicas.

No mesmo dia Michel Temer, que já era Presidente interino, tomou posse em definitivo para viajar para a China a fim de participar numa reunião do G20, juntamente com os líderes das 20 maiores economias do mundo.

O secretário-executivo da CPLP encontra-se em São Tomé e Príncipe para participar na investidura do Presidente eleito, Evaristo de carvalho e terá vários encontros com as autoridades para discutir a situação da organização, particularmente a agenda para a cimeira de chefes de Estado e de Governo em novembro próximo, no Brasil.