A mãe da jovem Diana Quer, desaparecida há mais de dez dias na Galiza, perdeu esta quinta-feira a custódia da sua filha mais nova, Valeria. De acordo com o La Voz de Galicia, a decisão foi tomada na sequência dos acontecimentos dos últimos dias, mas não estará relacionada com a investigação ao desaparecimento de Diana, que está a intrigar Espanha. No inquérito ao desaparecimento, algumas testemunhas já tinham relatado a ocorrência de discussões familiares, incluindo em lugares públicos.

A decisão foi tomada pelo Tribunal de Instrução de Ribeira, na Galiza, e as autoridades recusaram avançar mais detalhes sobre o assunto, por se tratar de um caso familiar envolvendo uma menor. As autoridades galegas mantêm ainda o segredo em torno da investigação sobre o desaparecimento de Diana Quer. A jovem de 18 anos desapareceu no dia 22 de agosto, após ter sido vista pela última vez perto de um acampamento de feirantes. Antes de desaparecer, enviou uma mensagem a uma amiga a dizer que estava a ser seguida por “um cigano”.

A irmã, Valeria, tem utilizado o seu Instagram para divulgar muitas fotografias da irmã, e apelos para que Diana seja encontrada. Valeria deverá ficar agora sob a guarda do pai, que não se encontrava na Galiza a passar férias com a família. O pai, Juan Carlos Quer, e a mãe, Diana López-Pinel, estão separados há quatro anos, e as duas filhas encontravam-se este verão a passar férias apenas com a mãe em A Pobra do Caramiñal, na zona costeira de A Coruña, na Galiza. Juan Carlos chegou à localidade ao saber do desaparecimento da filha, e terá trocado poucas palavras com a ex-mulher, estando instalado num hotel longe da casa da família.

Nos últimos dias, a família tem sido alvo de suspeitas, porque os pais se recusaram a falar aos meios de comunicação sobre o desaparecimento da filha, e o carro da mãe não tem sido visto em casa. Sobre o desaparecimento de Diana, as autoridades mantêm ainda todas as hipóteses em aberto. A família insiste na hipótese de rapto, mas as autoridades equacionam a hipótese de Diana ter fugido voluntariamente da casa da família.