Rádio Observador

Ópera

Ciúme e paixão na Mouraria? É ópera

126

Bairro histórico de Lisboa recebe, este fim-de-semana, um espetáculo de teatro lírico com entrada gratuita. Cinco óperas tradicionais em apenas 60 minutos.

Depois de "Os Palhaços", no ano passado, a Mouraria recebe agora a "Ópera de Faca na Liga"

Autor
  • Bruno Horta
Mais sobre

“Isto é o quê? Vai começar agora?”, pergunta, em inglês, um turista acompanhado por um grupo de amigas. Vão deixar-se ficar até ao fim. Ao parapeito da janela de casa, com vista privilegiada sobre o palco, uma mulher de meia-idade acompanha o que se passa e a meio do espetáculo faz comentários a preceito em momentos mais emotivos. “Pronto, toma que já estás morto.”

É a noite do ensaio geral da “Ópera de Faca na Liga”. Muitos turistas ficam a ver, rapazes do bairro passam com indiferença, um grupo de homens joga cartas no Café Parreirinha, mesmo ao lado, e técnicos e artistas dão retoques no espetáculo. A estreia acontece nesta sexta-feira, às 21h30, com repetição no sábado, à mesma hora.

“No ano passado tivemos 600 pessoas a assistir, este ano espero que seja um pouco mais”, confia a diretora artística, Catarina Molder.

Trata-se de uma apresentação, ao ar livre, de excertos de óperas clássicas. Pormenor: passa-se isto na Rua da Guia, na Mouraria, em Lisboa, bairro histórico onde nasceram a Severa, Fernando Maurício e outros grandes nomes do fado.

“É um cenário muito especial, porque neste bairro, que tem muitos problemas, mas também pessoas cheias de vontade, há muita tragédia e muita comédia”, comenta Catarina Molder. “Acho que o espetáculo, a que demos um título quase de cabaret, leva a emoção aos extremos, há ciúme, traição, paixão intensa, por isso vai criar uma empatia muito forte com o público.”

Em agosto de 2015, na mesma rua, foi apresentada uma só ópera, “Os Palhaços”, de Ruggero Leoncavallo, depois levada ao bairro de Alfama. Desta vez, o espetáculo fica-se pela Mouraria e é composto por cenas de cinco obras:

“Tosca” (de Puccini, estreada em 1900),
“A Flauta Mágica” (Mozart, 1791),
“Carmen” (Bizet, 1875),
“Otello” (Verdi, 1887),
“Cavalleria Rusticana” (Mascagni, 1890).

Pelo que se observou no ensaio geral, quinta-feira à noite, a “Ópera de Faca na Liga” vive do humor com que os intérpretes adaptam as cenas, o que pode torná-las mais apelativas para um público pouco habituado. Eles reforçam as palavras com gestos exagerados, entram e saem do camarim (um rés-do-chão que pertence à Junta) ainda a cantar, trocam de roupa em cima do palco, cantam em português em alguns momentos, com letra adaptada e rimas que não falham.

O propósito, até por se tratar de uma apresentação fora de sala, não é tanto o da fidelidade aos originais ou ao género, antes o de popularizar o teatro lírico.

A diretora artística é também intérprete, como soprano, e surge acompanhada pelo tenor Carlos Guilherme e o barítono Jorge Martins. Ao piano, e na direção musical, está Joana David. O espetáculo tem entrada gratuita e dura cerca de uma hora.

“Não procuramos só entretenimento, porque as formas de arte, tendo inevitavelmente esse lado, são sobretudo confrontações do público com a sua própria natureza, que lhes é mostrada no palco”, analisa Catarina Molder. “A força do canto lírico parece que leva as pessoas de regresso à emoção pura e isso é muito importante.”

Esta apresentação, e a do ano passado, fazem parte do projeto Ópera na Rua, da companhia Ópera do Castelo, dirigida por Catarina Molder e Nuno Barroso. Propõem-se “levar a ópera a todos os públicos, em formatos variados” com “novas abordagens do repertório tradicional”.

Estiveram no Intendente em 2013 – “as prostitutas que lá trabalhavam levaram muito a mal que tivéssemos ido para o território delas, mas depois acabaram por entender”, regista a soprano – e têm feito espetáculos no Castelo de São Jorge e noutros espaços improváveis, como jardins públicos.

No ano passado, iniciaram uma colaboração com a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior (recente junção de 12 freguesias do centro histórico de Lisboa, incluindo a do Socorro, onde se situava a Mouraria). A Junta produz o espetáculo, num investimento de cerca de 15 mil euros, segundo o Miguel Coelho, presidente da Junta.

“Abrangemos um território de cinco bairros com características culturais muito diversas, desde a Baixa-Chiado, onde estão dos melhores equipamentos culturais da cidade e a gastronomia mais sofisticada, até às zonas mais populares, que são território de fado e de tascas maravilhosas”, explica Miguel Coelho. “As pessoas que nunca ouviram ópera têm aqui uma oportunidade de alargar os seus horizontes”, acredita.

Recordando as origens populares da ópera, baseada em atuações carnavalescas de saltimbancos, Catarina Molder reforça a ideia de ajudar a popularizar o género.

Vivo na Costa do Castelo, por isso estou também a cantar para os meus vizinhos. Eu, o meu marido e os meus filhos somos fregueses daqui e estamos a dois quarteirões de casa. Esta situação é muito curiosa. Acho que o público está contente e até tem colaborado. Foi preciso instalar algum material em casa das pessoas, temos tido o cuidado de as respeitar, para ganharmos a confiança delas e a vontade de participarem.”

A mesma responsável considera que “estamos na cidade e no país que menos ópera apresenta na Europa”, por isso defende a existência de mais iniciativas. Revela, a propósito, que está a trabalhar com a Câmara de Lisboa e a associação Turismo de Lisboa para organizarem na segunda quinzena de agosto de 2017 a “Ópera Fest”, um festival de teatro lírico feito a pensar nos turistas que visitam a cidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)