Dois filhos na mochila

De Lima a Machu Picchu, a lutar contra as alturas

202

No Peru, chegámos a um dos pontos altos da nossa viagem, com a visita às ruínas mais famosas do povo inca. Mas também sentimos os efeitos desagradáveis que a altitude pode ter sobre os viajantes.

Tivemos de penar por uma longa subida para conseguir tirar esta fotografia.

DR

Lima é mais uma capital latino-americana gigante, com mais de oito milhões de habitantes. Um amigo português que lá mora, embora ausente em trabalho, arriscou dar-nos a chave do seu apartamento em Miraflores, o melhor bairro para viver — nestas cidades polarizadas, há sempre as zonas para gente como uno e as zonas onde não se vai.

Outro amigo, peruano, levou-nos a passear pelo Malecón com vista sobre o Pacífico, que termina no Parque do Amor, onde aventureiros em parapente rasgavam o horizonte. Para agradar aos miúdos, fomos almoçar frango e chicha morada, um sumo feito com milho roxo, mesmo ao lado do Segundo Muelle limenho.

À noite, fomos ao bairro boémio de Barranco assistir a um espetáculo de danças tradicionais do Peru. A mais extravagante foi a “dança das tesouras“, em que os bailarinos desfiam acrobacias enquanto fazem tinir tesouras. A dada altura, o apresentador chamou ao palco todos os estrangeiros presentes para nos dar as boas-vindas, mas o presente vinha envenenado: a banda tocou uma música típica de cada país e a Maria e eu tivemos de dançar o Malhão em frente a todos.

No dia seguinte, após o passeio domingueiro dos tristes pela Baixa algo decadente de Lima, chamou-me a atenção uma multidão concentrada num jardim público do nosso bairro, o Parque Kennedy, mais conhecido pelo ajuntamento de gatos que são alimentados pelos transeuntes. Já tinha anoitecido, e os muitos miúdos ali presentes não conversavam entre si, só olhavam para os telemóveis. Foi a primeira vez que nos cruzámos na viagem com a febre dos Pokémons.

Seguimos depois para Cusco, uma cidade com que muito me identifico — desde logo pelo nome! A sua praça principal foi talvez o espaço urbano mais simpático que já encontrámos até aqui, sobretudo ao fim da tarde, quando a iluminação amarela realça as suas arcadas e igrejas.

Passámos a primeira noite no Hotel Los Niños, cujas receitas fazem girar uma instituição que diariamente dá alimento e educação a 600 crianças. Os próprios funcionários do hotel são antigos beneficiários deste projeto. A comida que é servida na cafetaria, de inspiração europeia, é ótima e permitiu-nos variar de uma ementa já estafada.

O maior problema de Cusco é estar a uma altitude de 3400 metros, o que nos faz cansar em qualquer caminhada e nos obriga a um período de habituação, com recurso a muito chá de coca (aqui é legal e não faz mais do que acalmar o “mal de altitude”). Os meus sogros chegaram para passar uns dias connosco, e também se ressentiram logo da altitude. Só os miúdos é que estavam como se nada fosse.

Cusco funciona como porta de acesso às ruínas de Machu Picchu. Mas é um acesso condicionado: a única opção de transporte direto entre os dois pontos é um comboio “para gringos” muito inflacionado. A última etapa antes das ruínas é a aldeia desordenada de Aguas Calientes, perdida entre montanhas. Fazemos o estágio para o grande dia nas piscinas de água termal que dão o nome ao lugar.

Finalmente chega o dia de visitarmos Machu Picchu. A Maria e eu saímos mais cedo para nos lançarmos a um desafio extra: subir ao Wayna Picchu, o pico que se vê em fundo na imagem mais habitual das ruínas. Só 400 pessoas por dia podem fazer essa subida, que é feita em degraus íngremes e com pouca proteção. E eu, que tenho vertigens até em cima de um escadote, armo-me em temerário e faço-me ao caminho.

As coisas não correm mal até quase lá acima. Vamos devagar e nunca olho para o lado do precipício. Embalado pelas cores do meu clube, sinto-me a marcar pontos aos olhos da intrépida esposa. Só que eu tinha estado a ver no YouTube alguns vídeos da subida e sabia bem que o pior eram os últimos degraus, mais estreitos e sem proteção. Chego ao topo a custo e a praguejar. Só vejo nuvens à volta e tenho praticamente um ataque de pânico – “e agora, como é que vou descer daqui?” Felizmente, há um guarda que desbloqueia a situação e me ajuda a descer até uma zona mais larga. Pergunto-lhe se são muitos os que se assustam como eu. “Alguns, sim. Mas é assim que conseguimos pôr algum pão na mesa da família…” O recado está dado, e a nota que lhe passo é mais do que merecida.

Para baixo todos os santos ajudam, ainda para mais com a vontade de nos reunirmos às crianças, que entretanto chegaram com os avós e estão a ver os lamas que passeiam pelas ruínas. Pegamos neles e fazemos um último esforço físico para chegarmos ao ponto alto de onde se tira a “fotografia da praxe”. Está feita a visita. São degraus a mais para miúdos tão pequenos, e a história do povo inca ainda lhes passa muito ao lado.

Uma avaria na locomotiva fez com que a viagem de regresso a Cusco demore mais de 5 horas, mas já não nos afetou. A dura prova de Machu Picchu estava superada, com direito a carimbo no passaporte e tudo!

Nos próximos dias vamos até ao Lago Titicaca e entramos na Bolívia. Até à próxima crónica, vá espreitando as nossas fotografias no Instagram ou no Facebook.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)