Em agosto, havia mais 14.435 pessoas em Espanha, elevando para 3,697 milhões o total de desempregados no país.

A subida do desemprego é normal no mês de agosto porque muitos setores da economia interrompem a atividade no mês das férias e a contratação sazonal para responder ao turismo já perdeu a força.

No entanto, destaca o El Pais, a pior notícia nos dados revelados esta sexta-feira pela Segurança Social é a destruição de 144.997 empregos. Trata-se da maior perda de postos de trabalho sofrida no mercado laboral espanhol num mês de agosto, desde 2008. Só no último dia de agosto foram suprimidos 282.292 postos de trabalho. Educação, indústria, atividades artísticas e de lazer e construção, estão entre os setores mais penalizados.

Apesar do número de desempregados ter aumento menos do que em agosto de 2015, há uma maior redução no número de postos de trabalho no país que caminha para as terceiras eleições legislativas em menos de um ano, dado o impasse político que está a travar a formação de um governo.